terça-feira, 27 out 2020
Publicidade

Novo corte no Renda Cidadã deve deixar 3 milhões de famílias sem auxílio

Para caber no teto de gastos, programa pode ter aproximadamente metade da expansão anunciada pelo governo

O governo de Jair Bolsonaro planeja diminuir o número de pessoas que serão atendidas pelo Renda Cidadã, programa criado para substituir o Bolsa Família, de forma a encaixar os gastos no Orçamento. O programa pode ter aproximadamente metade da expansão de 6 milhões anunciada, deixando 3 milhões de famílias sem auxílio.

Os relatos sobre o novo corte, segundo apurou a Folha de S.Paulo, está em linha com os números citados recentemente pelo senador Márcio Bittar (MDB-AC). Ele é o relator do Orçamento de 2021 e das propostas do Pacto Federativo e Emergencial, criadas pelo governo para cortar despesas.

Uma das principais travas para o programa é o teto de gastos. A equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a cogitar o congelamento dos benefícios previdenciários de quem ganha mais do que um salário mínimo para viabilizar o Renda Cidadã. Outra proposta, desta vez do senador Márcio Bittar, foi o corte de 25% de jornada e salário de servidores.

“Se quiserem fazer o Renda Brasil hoje com o teto de gastos e sem reforma tributária, ele será um pouco menos robusto”, disse Guedes em audiência no Congresso no mês passado.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.