Óleo de soja aumenta mais de 100% e, ao lado do arroz, é o maior vilão da inflação de 2020

IPCA ficou em 4,52% no ano, puxado pela maior alta de preços nos alimentos desde 2002; usado no cálculo do salário mínimo, INPC ficou acima do reajuste de Bolsonaro

Item corriqueiro nos lares brasileiros, usado para o preparo de boa parte dos alimentos, o óleo de soja foi, ao lado do arroz, o maior vilão da inflação de 2020. Seu preço mais que dobrou ao longo do ano passado, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE): subiu 103,79%. O arroz apareceu em seguida, com alta de 76,01%.

O dado consta da divulgação do resultado do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), feita pelo IBGE nesta terça-feira (12). O índice, considerado a inflação oficial do país, ficou em 4,52% em 2020. Foi o maior desde 2016.

E o que mais teve impacto sobre ele foi justamente o grupo Alimentos e Bebidas. Ele disparou 14,09%, a maior variação desde 2002. Além de óleo de soja e arroz, outros itens com reajustes altos no ano foram batata inglesa (67,27%), leite longa vida (26,93%), frutas (25,4%), hortaliças e verduras (21,19%) e carnes (17,97%).

A inflação medida em dezembro, de 1,35%, foi a maior variação mensal desde fevereiro de 2003 (1,57%) e o maior índice para um mês de dezembro desde 2002 (2,1%). O IPCA de 2019 tinha ficado em 4,31%.

INPC

Usado no reajuste do salário mínimo, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) ficou ainda maior: fechou o ano em 5,45%. Com isso, ele ficou acima dos 5,26% que Jair Bolsonaro (sem partido) concedeu de reajuste no piso nacional. O valor de R$ 1.100 está em vigor desde o dia 1º de janeiro deste ano, por meio de uma medida provisória (MP).

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR