Réveillon do Gostoso começa com aglomerações e sem máscaras de proteção

A festa, que acontece no litoral do Rio Grande do Norte, foi alvo de disputa judicial. Uma juíza autorizou a realização do evento

Circulam desde o início da manhã desta segunda-feira (28) fotos e vídeos com imagens de aglomerações do evento ‘Réveillon do Gostoso’, que começou na noite de domingo. Imagens postadas por internautas mostram pessoas ainda assistindo aos shows sem máscaras de proteção contra o Coronavírus.

A festa, que acontece em São Miguel do Gostoso, litoral do Rio Grande do Norte, foi alvo de disputa judicial. A Prefeitura começou uma divulgação massiva dos protocolos exigidos em um decreto publicado que delimitava a reimplantação da barreira sanitária desde o dia 21 de dezembro.

O Ministério Público e o Governo do Estado do RN recomendaram, no início do mês, a suspensão de eventos públicos e privados, mas a juíza da comarca de Touros autorizou a realização do evento.

Com isso, são esperadas mais de 2.500 pessoas na cidade, onde ainda de acordo com os protocolos são exigidos testes negativos de Covid-19 para todos os participantes. Para a festa gratuita do dia 31, será um evento patrocinado e contará com um público limitado a 3 mil pessoas.

De acordo com informações da plataforma Regula RN, sistema da Secretaria Estadual de Saúde do Rio grande do Norte (RN), a taxa de ocupação para leitos críticos específicos para o tratamento da Covid-19 ultrapassou, no início da manhã desta segunda-feira, a casa dos 63,11%. Até a última semana, os números se mantiveram em torno de 50%,

Com informações de O Contador de Causos

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR