Fórumcast, o podcast da Fórum
13 de fevereiro de 2019, 15h06

Vale questionou sobre rota de fuga em novembro, afirma moradora de Brumadinho

“Nós perguntamos se existia risco de aquilo acontecer. Disseram que não, que era uma medida preventiva", relata a agricultora Soraia Aparecida Campos Nunes. Ela e a família perderam a horta que garantia sua subsistência

Foto: Reprodução

A agricultora Soraia Aparecida Campos Nunes, moradora do Parque das Cachoeiras, um bairro rural na cidade de Brumadinho, Minas Gerais, afirmou que técnicos da Vale visitaram a chácara onde ela mora em novembro do ano passado. Na ocasião, afirma Soraia, questionaram se ela e a família tinham uma rota de fuga caso a barragem rompesse.

“Nós perguntamos se existia risco de aquilo acontecer. Disseram que não, que era uma medida preventiva. Mas com certeza eles já sabiam”, acredita ela, que nesta quarta-feira (13) participou de reunião da comissão geral sobre a tragédia na Câmara dos Deputados.

Leia também: Parlamentares não entram em acordo sobre CPI para investigar Brumadinho

Soraia e a família, cuja casa fica em uma região alta, seguem morando no Parque das Cachoeiras, mas perderam a horta que garantia sua subsistência. Na sessão, a agricultora, membro do Sindicato Rural de Brumadinho e representante da Associação de Moradores do Parque das Cachoeiras, pediu que os deputados não permitam que a Vale saia impune.

Fórum procurou a assessoria de comunicação da Vale e questionou a empresa sobre o episódio relatado pela moradora. A empresa ainda não respondeu o contato.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum