Vereador Renato Freitas (PT), de Curitiba, é preso pela segunda vez em menos de 2 meses; veja vídeo

Imagens mostram guardas municipais agindo com truculência contra o vereador, que participava de um protesto contra Jair Bolsonaro; à Fórum, polícia falou em "discussão política" e "lesão"

Publicidade

O vereador Renato Freitas (PT-PR) foi preso pela Guarda Municipal de Curitiba (PR) na noite desta sexta-feira (23).

O petista, que é negro e usa cabelo blackpower, recorrentemente é alvo de ações truculentas da polícia e foi detido em junho por “perturbação ao sossego” enquanto ouvia música e jogava basquete com um amigo.

Publicidade

Desta vez, Freitas estava em uma barraca montada pelo PT na praça Rui Barbosa para convocar a população para o ato contra Jair Bolsonaro que ocorre no sábado (24) quando foi abordado por guardas municipais. Imagens mostram os agentes agindo com truculência contra o vereador, que foi arrastado para uma viatura e encaminhado à Central de Flagrantes da Polícia Civil.

Assista.

Publicidade
Publicidade

Fórum entrou em contato com a delegacia e o investigador Nascimento disse que não poderia dar mais informações sobre o caso, se limitando a dizer que Freitas foi detido por “discussão política” e, segundo ele, causado “lesão corporal” em uma “vítima”.

A reportagem apurou que um bolsonarista teria tentado tirar o megafone do vereador e, então, foi iniciado um princípio de confusão. Somente Freitas, no entanto, foi preso.

Publicidade
Publicidade

O petista foi liberado e, ao sair da delegacia, deu detalhes sobre como foi detido. Segundo Freitas, ele gritava “fora, Bolsonaro” em um megafone quando um bolsonarista tentou agredi-lo.

O vereador, então, teria tentado afastá-lo com o próprio megafone. O bolsonarista, por sua vez, teria acionado os guardas municipais dizendo que foi agredido.

Publicidade

“Ele chamou a guarda, expliquei a situação, falei para pegarem as imagens da câmara. O fato é que eu fiquei como o agressor de uma situação que ele [o bolsonarista] incitou”, disse Freitas.

O petista afirmou, ainda, que os guardas não quiseram ouvir sua explicação e já o imobilizaram e o agrediram. Segundo Freitas, os agentes ainda teriam zombado de sua prisão.

Publicidade

Assista.

 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Uma publicação compartilhada por Renato Freitas (@renatofreitasvereador)

PT solta nota e diz que vai tomar providências

Logo após a notícia da prisão de Freitas, os diretórios do PT de Curitiba e do Paraná divulgaram nota repudiando o ocorrido e dando detalhes sobre a abordagem dos guardas municipais.

O partido informou, ainda, que já está tomando as providências contra a “injustiça”.

Confira a íntegra da nota.

“O PT Curitiba e o PT Paraná repudiam veementemente mais uma ação irregular e preconceituosa das forças de segurança pública contra o vereador do PT em Curitiba, Renato Freitas, que está nesse momento detido no 8º Distrito Policial de Curitiba, no bairro Portão.

Até quando vamos sofrer tamanha humilhação e violência?

A prisão ocorreu enquanto Renato participava da atividade de convocação, na Praça Rui Barbosa, para o ato Fora Bolsonaro que acontece amanhã, 24 de julho. Ele foi detido pela Guarda Municipal de Curitiba por discursar contra Bolsonaro no megafone e pedir fim ao seu desgoverno.

Até quando esse regime de exceção vai existir? Basta!

O Partido dos Trabalhadores já está tomando todas as medidas para que mais essa injustiça contra o Renato seja desfeita o mais rápido possível.

Arilson Chiorato
Presidentes do PT Paraná

Angelo Vanhoni
Presidente do PT Curitiba”

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR