Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
06 de janeiro de 2020, 21h55

Verissimo: “Ser de esquerda não é uma opção, é uma decorrência”

Em entrevista à Folha, escritor falou sobre política, fake news e o famoso personagem Analista de Bagé

Luis Fernando Verissimo. Foto: Divulgação

Em entrevista à Folha de S. Paulo, uma das unanimidades da literatura nacional, Luís Fernando Verissimo, falou sobre política, escrever, fake news, os tempos modernos e como o Analista de Bagé, personagem conhecido pela grosseria e pela terapia do joelhaço e que tem um monumento na cidade de… Bagé, agiria com determinadas personalidades políticas da nossa vida (sur)real.

Verissimo contou que o Analista de Bagé receberia Bolsonaro com um joelhaço e que trataria certos aspectos que seu criador critica no governo. “Envolveria tratamento com águas, lobotomias e talvez uma nova eleição. Séria, desta vez”.

Perguntado sobre o que chamava mais atenção nas redes sociais, disparou: “O ódio das pessoas. Prova do que eu sempre digo: o mundo não é mau, é só muito mal frequentado.”

Alguns trechos da entrevista:

Quando as fake news ganharam a visibilidade atual, imagino que o sr. tenha pensado algo como “bem-vindos ao meu mundo”. As fake news chegaram a ser engraçadas para o sr.? Se sim, deixaram de sê-lo? Quando?

Na medida em que são formas de ficção, as fake news requerem alta dose de criatividade para competir com as news de verdade, estas sim, frequentemente incríveis.

O Bolsonaro e alguns dos seus ministros são claramente figuras do realismo mágico, mas reais.

É cansativo ser de esquerda? Ou seria mais cansativo não ser de esquerda? 

Talvez ingenuamente, eu não entendo como uma pessoa que enxerga o país à sua volta, vive suas desigualdades e sabe a causa das suas misérias pode não ser de esquerda. Ser de esquerda não é uma opção, é uma decorrência. Mas que às vezes desanima, desanima.

Como é ser convidado a opinar sobre tudo? O sr. se impõe limites?

É bom ter a liberdade de opinar sobre tudo, dentro dos limites da clareza e do bom senso que você mesmo se impõe. Eu comecei a ter um espaço assinado em jornal em 1969. Época do Médici, da censura à imprensa, dos assuntos proibidos. Sei bem como era.

É triste constatar que voltam a falar em controle da mídia e ameaçar com uma nova edição do AI-5. No Brasil a nostalgia é uma força politica ainda a ser estudada.

A possibilidade de o leitor reagir a qualquer mensagem hoje é muito maior. Em que medida isso altera a mensagem original? Quem escreve pode ficar com medo da polêmica? Ou, ao revés, escreve tão somente para procurá-la?

Não se deve escrever com medo da reação e da polêmica, ou atrás da reação e da polêmica. Deve-se aproveitar a liberdade que existe hoje, com todas as restrições econômicas combinadas com a revolução tecnológica que afetam os jornais e os jornalistas, antes que os censores e os nostálgicos voltem.

O sr. lê as mensagens que recebe? 

Só os elogios.

O sr. acredita que os vídeos assumiram ou assumirão o lugar dos livros na transmissão do conhecimento?

É a velha questão do veículo e do conteúdo, que existe desde os tabletes de barro da Mesopotâmia. O que é mais importante, veículo ou conteúdo?

Um texto numa tela de computador ou num vídeo ainda é um texto, no caso o conteúdo é que vale. Ou o texto em qualquer outro veículo que não seja papiro, papel ou Kindle é inadmissível? Se o livro como nós o conhecemos e amamos vai desaparecer é outra questão. Já anunciaram a morte do livro várias vezes, mas era sempre boato.

É possível manter a profundidade de um livro num vídeo?

É. Depende do valor do conteúdo, não da natureza do veículo.

A fotografia mais e mais trocou um papel de registro por um de comunicação –informar instantaneamente algo a outras pessoas. O texto sofreu transformação parecida? Ou, pelo contrário, as redes fizeram um desserviço à escrita?

Na medida em que voltamos ao texto telegráfico e a signos em vez de palavras acho que houve, sim, um desserviço à escrita tradicional, que depende de tempo e espaço para se desenvolver e se explicar.

O que o sr. faz para tentar chegar bem até os cem anos? 

Vamos com calma. Quando chegar aos 99, eu revelo como foi.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum