Fórum Educação
27 de março de 2020, 19h54

Chile copia Bolsonaro e libera empresários do pagamento de salários durante a quarentena

Ministra do Trabalho, María José Zaldívar, reiterou que não há como forçar “um empregador a pagar o salário dos trabalhadores em meio a uma pandemia”

A ministra do Trabalho do Chile, María José Zaldíval, e o presidente Sebastián Piñera (foto: TVN Chile)

Em meio à pandemia do novo coronavírus, muitos países do mundo estão tomando medidas para proteger os trabalhadores e seus salários. Mas o Chile, berço do neoliberalismo e modelo seguido por Paulo Guedes, definitivamente não é um deles.

Nesta quinta-feira (26), o governo do país andino publicou uma resolução que libera os empresários do pagamento de salários durante o período de quarentena.

Na sessão da Comissão do Trabalho da Câmara dos Deputados, nesta sexta-feira, a ministra do Trabalho, María José Zaldívar, tentou preservar o presidente neoliberal Sebastián Piñera dessa medida claramente antipopular, explicando que “não se trata de um decreto do governo, e sim de uma análise baseada nas atuais leis vigentes no país”.

“Não há em nossa legislação nenhum mecanismo capaz de forçar um empregador a pagar os salários dos trabalhadores durante uma pandemia, porque ele está sem renda, e a situação também é um drama para ele, não temos como obrigá-lo”, acrescentou Zaldívar.

Segundo a ministra, “nesses casos, a obrigação de pagar a renda é suspensa, a não ser que as partes entrem encontrem um acordo que seja mais vantajoso para o trabalhador”.

A postura do governo do Chile lembra o caso da MP 927, que o governo brasileiro anunciou na segunda-feira (23) e que incluía a suspensão dos contratos de trabalho por até 4 meses, sem pagamento de salário. A medida gerou enorme polêmica, a ponto de o presidente Jair Bolsonaro revogá-la horas depois.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum