Em nova oferta ao governo Bolsonaro, Pfizer cobra R$ 1 bilhão a mais pelo mesmo número de vacinas

Preço é 20% maior do que o negociado no primeiro contrato com a farmacêutica. Ministério da Saúde negou ao menos 3 ofertas do imunizante em 2020

A farmacêutica Pfizer, uma das desenvolvedoras da vacina contra a Covid-19, fez uma nova oferta ao governo de Jair Bolsonaro de 100 milhões de doses do imunizante. O valor cobrado, no entanto, será 20% superior do que o negociado no primeiro contrato do laboratório norte-americano com o Ministério da Saúde.

Segundo reportagem de Mariana Hallal, do Estado de S.Paulo, a oferta para nova compra totaliza mais de R$ 6,6 bilhões, cerca de R$ 1 bilhão a mais do que o valor anterior. O governo publicou nesta quinta-feira (6) no Diário Oficial da União o extrato de dispensa de licitação, que cita o valor bilionário.

Em nota técnica da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, há o pedido de compra do imunizante pelo governo, mas com a observação de que o valor está acima do que foi pago no contrato anterior e pede que o preço seja negociado.

As negociações do Ministério da Saúde com a Pfizer apontam que o novo lote deve ser entregue em duas etapas. A primeira remessa, de 30 milhões de doses, deve chegar ao país entre 1º de julho e 30 de setembro. A entrega do segundo lote, com 70 milhões de doses, está prevista para o quarto trimestre, entre 1º de outubro e 31 de dezembro.

O governo de Jair Bolsonaro recusou ao menos três ofertas formais de vacinas da Pfizer ao longo de 2020. A primeira delas foi feita em agosto, quando a farmacêutica colocou à disposição do Brasil 70 milhões de doses para serem entregues em dezembro. As outras duas ofertas formais, feitas através de documentos, foram confirmadas pelo laboratório.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.