O que o brasileiro pensa?
14 de maio de 2020, 09h27

Exaltado, Bolsonaro diz que Brasil será “país de miseráveis” como na África e apela para fim do isolamento

Sem previsão de liberar a segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600, Bolsonaro falou em caos econômico com isolamento social por causa do coronavírus e diz que está pronto para conversar com governadores que se desculparem

Jair Bolsonaro (Reprodução)

Sem previsão de liberar a segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600 aos trabalhadores informais – e sem milhões terem recebido nem mesmo o primeiro pagamento, Jair Bolsonaro traçou um cenário caótico e aumentou o tom apelando aos governadores para abrir o comércio em meio ao pico da pandemia do coronavírus na manhã desta quinta-feira (14) em frente ao Palácio da Alvorada.

Leia também: Bolsonaro publica MP que o livra de responsabilidade por causar aglomerações na pandemia do coronavírus

“O Brasil está se tornando um país de pobres. O que eu falava lá atrás que era esculachado, vocês estão vendo a realidade. Para onde está indo o Brasil. Vai chegar ao ponto em que o caos vai se instalar por aqui. Lockdown, vão fechar tudo. Não é esse o caminho. Esse é o caminho do fracasso, quebrar o Brasil. Governador, prefeito, que porventura entrou nessa onda lá atrás, faz como eu já fiz algumas vezes na minha vida: se desculpa e faz a coisa certa”, afirmou Bolsonaro, bastante exaltado.

O presidente afirmou que lamenta as mortes pelo coronavírus e ressaltou que está pronto para conversar com prefeitos e governadores que pedirem desculpas.

“O Brasil está quebrando. E depois de quebrar, a economia não recupera. Estamos fadados a ser um país de miseráveis, como países da África subsaariana. Nós temos que ter coragem de enfrentar o vírus. Está morrendo gente, está. Lamento. Lamento. Mas, vai morrer muito, mas muito mais se a economia continuar sendo destroçada por essas medidas. Tem que reabrir. Nós vamos morrer de fome. A fome mata. A fome mata. É um apelo que faço aos governadores. Reveja esta política. Eu estou pronto para conversar”.

Empregos
Antes de se dirigir aos jornalistas com um papel na mão, Bolsonaro perguntou a apoiadores: “Como é que está o emprego? Muita gente sem emprego por aí?”.

Aos jornalistas, o presidente disse que conversou com o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, sobre a prorrogação do pagamento de dívidas mobiliárias no banco estatal.

“Vi uma notícia agora na mídia e liguei para o Pedro. E era mais grave do que eu tinha lido. 2,3 milhões clientes da Caixa Econômica que pagam casa própria pediram para pausar o crédito. Ou seja, como regra, a Caixa permitiu atraso até dois meses. A Caixa resolveu prorrogar por mais um mês, três meses e nessa prorrogação, 2,3 milhões de um universo de 5 milhões. Ou seja, o pessoal não tem dinheiro para pagar a casa própria. E o Pedro Guimarães, conversei com ele agora, de comum acordo, ele disse que vai aumentar para quatro meses. Porque não adianta apenas prorrogar, se o elemento que perdeu emprego, teve redução de salário, não tem como pagar. O que está sobrando pra ele é pra comprar comida”, disse.

Bolsonaro ainda perguntou aos jornalistas sobre a redução de salários pagos pelas grandes empresas de comunicação.

“É igual vocês da imprensa. Pelas informações que tive: Globo, Folha, Estadão e Jornal do Comércio foram reduzidos 25% dos salários de vocês. Informação que eu tive. Eu peço que vocês confirmem. Silêncio, pô. Balançou a cabeça que foi”, disse.

Mandetta e Argentina
O presidente, no entanto, encerrou a entrevista ao ser indagado sobre entrevista do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que previu, em entrevista à CNN dos EUA, um cenário caótico no país, com mais de mil mortes por dia. “O Mandetta é passado”, disse, saindo do local.

Antes, Bolsonaro também criticou um jornalista que fez uma comparação das políticas de combate ao coronavírus entre o Brasil e a Argentina, que tem um dos menores números de mortos pela doença na América Latina.

“Argentina? Vamos falar da Suécia. A Suécia não fechou. Você tá defendendo. Vamos para a ideologia. Você pegou um país que está caminhando para o socialismo: a Argentina”, disse.

Com 10 milhões de habitantes, a Suécia, que optou por não aderir ao isolamento social, já registra mais de 3 mil mortes pela doença – uma das maiores porcentagens de mortos por milhão de habitantes.

Com 44 milhões de habitantes, a Argentina, que desde o início adotou o isolamento social – medida que foi estendida até 24 de maio – tem cerca de 6 mil casos confirmados e pouco mais de 300 mortes.

– Povo passando fome quer trabalhar, caminho do caos, impossibilitados de botar comida na mesa de sua família. Miséria, decretos de governadores e prefeitos.. Link no YouTube: https://youtu.be/pYOG6MHJyS0

Publicado por Jair Messias Bolsonaro em Quinta-feira, 14 de maio de 2020

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum