Flávio Dino quer dar auxílio a órfãos da Covid-19 até a maioridade

Governador do Maranhão encaminhou projeto de lei à Assembleia Legislativa; benefício é no valor de R$ 500 mensais para crianças e adolescentes que perderam mãe e pai na pandemia

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), encaminhou à Assembleia Legislativa um projeto de lei que visa criar o Auxílio Cuidar. O benefício atenderá órfãos de vítimas da Covid-19 até completar a maioridade.

No valor de R$ 500 mensais, o auxílio vai atender crianças e adolescentes que perderam a mãe e o pai, biológicos ou adotivos, por Covid. O benefício também valerá para famílias uniparentais, aquelas as quais as crianças são criadas somente pelo pai ou apenas pela mãe, e este morrer devido à doença.

Um estudo desenvolvido pela CDC, órgão sanitário dos Estados Unidos, e publicado na revista científica Lancet concluiu que há cerca de 130 mil órfãos de vítimas da Covid no Brasil.

Uma projeção feita pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) estima que, ao menos, 45 mil crianças e adolescentes brasileiros se enquadram no critério do projeto de lei maranhense, ou seja, perderam pai e mãe durante a pandemia.

Constituição

Em mensagem encaminhada à Assembleia, Dino justifica a necessidade da criação do auxílio, mencionando os Artigos 226 e 227 da Constituição Federal de 1988.

A lei destaca como dever do poder público “assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, dentre outros, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”.

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR