domingo, 27 set 2020
Publicidade

Irã revela que já realizou provas em humanos e entra na briga pela primeira vacina contra o coronavírus

Quando todos esperavam que Rússia, China e Reino Unido entravam na reta final como únicos competidores da disputa pela primeira vacina contra a covid-19 (infecção causada pelo novo coronavírus), eis que surge o Irã, correndo por fora, mas tentando ser a grande surpresa desta briga.

Na verdade, o país já surpreendeu toda a comunidade científica nesta sexta-feira (24), quando o ministro da Saúde, Saeed Namaki, anunciou que o país concluiu a fase de desenvolvimento clínico, após a terceira etapa de testes em humanos da sua vacina. Ele também afirma que os resultados mostraram sucesso do medicamento iraniano, e disse que este poderia estar disponível já nas próximas semanas.

Namaki ressaltou que o Irã realiza esse esforço de desenvolver sua própria vacina devido à “necessidade de buscar soluções locais, provocada pelas injustas sanções internacionais que  foram impostas pelos Estados Unidos, e que prejudicam o desenvolvimento iraniano, causam danos significativos à sua população e impedem a estratégia nacional de enfrentar a pandemia, mas também nos obrigam a superar esses desafios com iniciativas como esta”.

Além da vacina, o Irã também desenvolveu seu próprio modelo de ventilador mecânico, também para enfrentar os obstáculos que as sanções impõem para comprar o equipamento em outros países.

O projeto da vacina iraniana foi anunciado em fevereiro, quando o país era um dos mais afetados do mundo pela pandemia. Naquele então, o próprio Namaki previa que a conclusão da vacina tardaria entre 12 e 15 meses, e estipulou o mês de março de 2021 como data do provável lançamento.

Em uma reunião online com representantes da OMS (Organização Mundial da Saúde) no Oriente Médio, Namaki disse que o Irã está pronto para cooperar e compartilhar sua vacina com outros países da região.

Até o momento, o país persa já registou 286 mil infecções por covid-19, com 15 mil mortes e 249 mil pacientes recuperados.

Victor Farinelli
Victor Farinelli
Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).