“Nova cepa do coronavírus é a explicação mais plausível”, diz cientista da Fiocruz sobre colapso em Manaus

Epidemiologista Jesem Orellana alerta para a possibilidade da nova variante do vírus ser disseminada pelo Brasil. "Vamos ver a bomba estourar daqui uns 15 dias", afirma

O epidemiologista Jesem Orellana, da Fiocruz-Amazônia, acredita que a explosão de casos de Covid-19 em Manaus está ligada a uma nova variante do coronavírus. Em entrevista ao jornal Estado de S.Paulo, publicada nesta sexta-feira (15), o pesquisador alerta para a possibilidade da nova cepa ser disseminada pelo Brasil.

“Apesar de todo esse contexto de relaxamento da população em relação aos cuidados, acreditamos que esta nova cepa é a explicação mais plausível para um crescimento tão explosivo considerando o histórico de Manaus”, afirma.

Orellana explica que o aumento de casos tem ocorrido em um contexto em que pelo menos 30% a 40% da população já foi exposta ao coronavírus. “Só pode ser porque essa nova cepa se programa muito mais rapidamente que todas as 11 variantes que circularam antes na região”, explica.

“Ainda estamos investigando se de fato ela é mais contagiosa, mas as mutações que observamos são muito parecidas com as vistas no Reino Unido e na África do Sul em novas cepas que também mostraram mais fáceis de serem transmitidas”, completa o cientista.

Orellana então faz um alerta sobre a possibilidade da nova variação ser disseminada pelo Brasil, já que pacientes de Manaus estão sendo transferidos para outros estados. A cidade atualmente enfrenta um colapso no sistema de saúde e está sem oxigênio para os doentes.

“Em outras palavras, estamos mandando o vírus para outros Estados. Isso ninguém está falando ainda, mas vamos ver a bomba estourar daqui uns 15 dias”, alerta o pesquisador.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR