PSOL vai ao STF para proibir Bolsonaro de distribuir e fazer propaganda da cloroquina

Mesmo com a Anvisa reforçando que não existe tratamento precoce contra a Covid, governo segue insistindo na prática que foi instituída, por exemplo, em Manaus, que vive um colapso no sistema de Saúde

O PSOL acionou o Supremo Tribunal Federal (STF), nesta terça-feira (19), pedindo para que o governo de Jair Bolsonaro seja proibido de fazer propaganda de medicamentos sem eficácia comprovada contra Covid-19, como a cloroquina, e de distribuí-los.

O pedido integra Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADFP) 756, que solicita que o governo adote os procedimentos necessários para a aquisição de vacinas. A ação é relatada pelo ministro Ricardo Lewandowski.

“É inaceitável que o governo continue opondo tratamento precoce à vacinação. Não há medicamentos com efeitos comprovados contra a Covid-19. É hora de dar um ponto final à desinformação do governo Bolsonaro. Chega”, afirma o presidente do PSOL, Juliano Medeiros.

Leia também – Supremo desmente Bolsonaro: “É falso que o STF proibiu governo federal de atuar contra a pandemia”

No pedido, o partido cita, além da cloroquina, medicamentos como nitazoxanida, hidroxicloroquina e ivermectina, todos sem eficácia comprovada e que constam em protocolo do Ministério da Saúde para tratamento de Covid-19.

Nesta segunda-feira (18), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que nunca incentivou o chamado tratamento precoce, mas sim o “atendimento precoce”. A fala veio após os diretores colegiados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) reforçarem que não existe tratamento precoce contra a doença do coronavírus.

O próprio Pazuello, no entanto, já falou especificamente sobre tratamento precoce por mais de uma vez e ainda montou uma “força-tarefa” em Manaus (AM) para incentivar a indicação dos medicamentos sem eficácia contra a Covid nas unidades de saúde. A capital amazonense, quando recebeu a visita do ministro, já estava com as internações explodindo em hospitais, mas o ministério da Saúde nada fez além de incentivar o “tratamento” precoce e a cidade entrou em colapso hospitalar, com pacientes morrendo de asfixia por falta de oxigênio.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_