#Fórumcast, o podcast da Fórum
13 de junho de 2019, 18h52

Capa de revista francesa sobre a Copa do Mundo Feminina divide internautas

Capa polêmica Charlie Hebdo foi chamada de grosseira, machista e nojenta, enquanto defensores da publicação apontam direito de expressão

Capa da edição de 12 de junho de 2019 da Charlie Hebdo satirizando a Copa do Mundo feminina de futebol

A revista de humor francesa Charlie Hebdo traz na capa de sua edição desta quarta-feira (12) a Copa do Mundo Feminina de futebol, que é realizada este mês na França. A imagem em página cheia de uma vagina com uma bola de futebol faz alusão ao quadro “A origem do mundo”, de Gustave Courbet, enquanto o texto “vamos comer durante um mês!” despertou reações divididas nos internautas.

Nas últimas 24 horas, foram mais de 3.500 comentários sobre a revista no Twitter, a maioria realizados na França. Muitas pessoas criticaram a publicação, a que chamaram de machista, misógina, escandalosa e nojents, solicitando que a revista peça desculpas.

“#CharlieHebdo, vocês desrespeitaram jogadoras de futebol do mundo todo e as objetificaram sexualmente da maneira mais desagradável. Isso é ultrajante e repugnante. Eu exijo que @Charlie_Hebdo_ retire esta capa e peça desculpas imediatamente!” reclamou uma internauta do Sri Lanka.

“A sátira do #CharlieHebdo é somente grosseira. Não faz rir, nem pensa, é de uma vulgaridade absoluta e miserável: reflete completamente os estereótipos de um mundo no qual colocar problemas, aprofundar ou simplesmente escutar são tabus”, reclamou outra internauta italiana.

A revista francesa Marianne, de linha editorial inclinada à esquerda, defendeu a Charlie Hebdo. “Marianne ainda apoia Charlie”, diz a publicação.

Já outras pessoas, incluindo mulheres, defenderam a liberdade de expressão e de imprensa para que a revista possa publicar qualquer conteúdo. Com eles, o slogan “Je suis Charlie” voltou a ser usado.

A frase se tornou popular no mundo todo depois do atentado sofrido na redação da revista em janeiro de 2015. Na ocasião, 12 pessoas foram mortas e 11 ficaram feridas quando dois irmãos muçulmanos, Saïd e Chérif Kouachi, entraram no escritório e abriram fogo contra os jornalistas e cartunistas com fuzis AK-47. O massacre seria uma reação a uma capa da Charlie Hebdo que satirizava o profeta Maomé.

Na época dos ataques, a revista foi defendida por grupos que ressaltavam seu caráter satírico. Internautas hoje reclamam que as mesmas pessoas que no passado defenderam a liberdade para satirizar religiões, hoje estariam condenando o a capa.

Sátira de terremoto

Algumas das críticas mais inflalamdas contra a revista, no entanto, não vieram da França, mas da vizinha Itália.

Em agosto de 2016 um terremoto na região central da Itália causou a morte de quase 300 pessoas, deixou 388 feridos e mais de 4.500 pessoas sem suas casas. Dias depois da tragédia, a revista publicou um cartum relacionando vítimas a pratos típicos italianos.

Um homem ferido e enfaixado seria um penne com molho de tomate; uma mulher com ferimentos e queimaduras no rosto, penne gratinado; já um edifício desabado com várias vítimas dentro é chamado de lasanha.

A cidade de Amatrice, uma das mais atingidas pelo tremor, processou a revista na época.

Sátira da Charlie Hebdo sobre terremoto na Itália

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum