Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
13 de setembro de 2019, 11h24

Elza Soares volta com a trilha do seu tempo em “Planeta Fome”

Mais moderno e antenado com tudo que acontece no entorno do que todo o entorno, o disco lançado nesta sexta-feira 13 tem capa com gravura da Laerte e participações da banda Baiana System, da cantora Virgínia Rodrigues, Bnegão, Pedro Loureiro e Rafael Mike

Foto: Marcos Hermes/Divulgação

Elza Soares, que não conta a idade, mas já passou dos 80, dá um trança pé na garotada e lança, nesta sexta-feira 13, seu mais recente álbum, o “Planeta Fome”. Mais moderno e antenado com tudo que acontece no entorno do que todo o entorno, o disco tem capa com gravura da Laerte e participações da banda Baiana System, da cantora Virgínia Rodrigues, Bnegão, Pedro Loureiro e Rafael Mike.

Foto: Divulgação/Laerte

Em entrevista recente, a cantora afirma: “Vozona não sou. Você não vai me ver de chinelinho, mas sim de calça jeans rasgada, camisetona. O Brasil está doente, mas estou avançando”.

E o que poderia ser só frase de efeito chega provado e comprovado na sonoridade, samplers, interpretação, repertório e até mesmo os resgates do disco. Com produção impecável de Rafael Ramos, Elza desloca o eixo de seus dois últimos álbuns dos produtores paulistanos Guilherme Kastrup e Romulo Fróes para o suingue carioca.

A produção, aliada ao repertório, traz um resultado um tanto menos experimental e bem mais ensolarado. Nem melhor nem pior do que os anteriores, este “Planeta Fome”, apesar de totalmente comprometido com questões sociais, é bem mais palatável.

Elza resgatou canções imprescindíveis e reatualizadas, sobretudo, “Comportamento Geral” e “Pequena Memória de um Tempo sem Memória”, as duas de Gonzaguinha. Outras voltam sampleadas ou citadas. É o caso de “Blá blá blá”, de Pedro Loureiro, que traz trechos de “Chega” (Gabriel O Pensador, DJ Memê e André Gomes, 2016) e “Me dê motivo”, sucesso de Tim Maia composta por Michael Sullivan e Paulo Massadas em 1983. A cação ainda é completada por um rap de Bnegão.

Vale nota à parte “Libertação”, de Russo Passapusso, do Baiana System, banda que também participa da gravação, ao lado da cantora Virginia Rodrigues. Com a voz ainda mais rouca, acompanhada de percussões e metais, Elza canta:

Eu não vou sucumbir

Eu não vou sucumbir

Avisa na hora que tremer o chão

Amiga é agora segura a minha mão

O disco traz ainda uma composição própria de Elza. “Menino” tem pouco segundos e duas quadrinhas:

Venha cá menino

Não faça isso não

Sei que é muito triste

não ter casa, não ter pão

 

Não te leva nada

Destruir o teu irmão

Você representa

O futuro da nação

A canção é emendada com “Brasis”, de Gabriel Moura, Jovi Joviniano e Seu Jorge, de 2006, que abre com um poderoso riff de guitarra e Elza muda um detalhe da letra, de: “Tem um Brasil que é lindo e um Brasil que fede” para: “Tem um Brasil que cheira e um Brasil que fede”.

Não há uma gota de indulgência. A voz de Elza está mais rouca do que antes, mas chega vigorosa. Nada se perdeu com o tempo. Até mesmo às críticas, cada vez mais raras, mas que vez por outra recebe, ela reage inflexível. Sobre a falta de mulheres na produção do seu emblemático e feminista “A Mulher do Fim do Mundo”, de 2015, ela afirma:

“Ah, deixa o pessoal reclamar. Inclusive, sinto falta disso. Botaram Lexotan na água do povo. Está todo mundo calado”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum