Fórumcast, o podcast da Fórum
04 de março de 2019, 13h00

Grazi Nervegna chega pronta a “Anambé”, seu primeiro álbum

Inspirado no universo da cantora e compositora Consuelo de Paula, o disco é repleto de lindas surpresas e muito boa música

Foto: Divulgação

Um disco inspirado na obra de Consuelo de Paula já é para ser festejado de saída. Certa vez escrevi aqui sobre ela:

“É uma guerrilheira da nossa cultura popular. Qualquer coisa a mais que se diga ao seu respeito contribui apenas para reduzir o seu universo e significado. Consuelo de Paula é imprescindível. Uma artista grandiosa, de modos e atitudes modestas.

“Mineira, de Pratápolis, Consuelo de Paula se formou em Farmácia, mas abraçou mesmo a música. Desde menina brincava nas congadas, carnavais e folias de sua terra. Fundou um bloco feminino com apenas treze anos, cantou, dançou e compôs até não poder mais. Quando viu que não havia mais jeito, se profissionalizou.”

Posto isto, o disco “Anambé” traz um componente a mais. A estreante em disco Grazi Nervegna chega pronta, com personalidade própria, uma grande capacidade de interpretação e plena noção do universo por onde caminha e deseja prosseguir.

O álbum é lindo do começo ao fim. De acordo com texto de divulgação, “traz em suas faixas a história de vida da própria Grazi, transformada em arte. “A vida, com todas as suas cores e nuances, é o meu grande tear”, diz.

O álbum conta com a direção artística e musical da própria Consuelo de Paula, os multi-instrumentistas João Arruda e Carlinhos Ferreira e a participação mais do que especial do mestre violeiro Levi Ramiro. Como se não bastasse, a arte gráfica é assinada pela artista, que também é cantora e compositora, Kátia Teixeira, e a fotografia de Daniel Kersys.

A voz de Grazi é a primeira a chamar a atenção. Com timbre bonito, tem afinação exata e paixão na medida. Interpreta as canções como se tivesse feito isso por toda a vida, com intimidade e leveza. Caminha com destreza pelos instrumentos e, ao invés de se comportar como diva, se integra ao todo. Ela é um instrumento dentre todos, imprescindíveis para cada canção.

E as canções são lindas. A maioria de sua autoria, outras de ou com Consuelo de Paula e muitas com outros autores, todas convergem para um mesmo imaginário, o mesmo ambiente musical.

Logo de saída, a bela faixa-título diz a que veio o álbum. “Anambé” é uma composição encantada. O título é nome comum de alguns passarinhos e que em tupi-guarani significa “aqueles que caminham em parceria e permanecem unidos” e também uma tribo do Pará: “Meu amor é um vento na mata, é o que eu preciso cantar, aqui e em qualquer lugar”.

O álbum encerra com Rosa dos Ventos, de João Arruda e participação do próprio autor na viola do coxo. A voz de Grazi explode, num primeiro momento só e depois em coro, entre sons de despedida e, ao mesmo tempo, anunciação, como quem sai de um lado pra logo chegar em outro. “Deixa a rosa dos ventos me guiar”.

Entre estas duas canções, um sem fim de lindas surpresas inesquecíveis que nos fazem sempre voltar ao começo e saudar essa grande artista que chega ao mundo do disco.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum