Fórumcast, o podcast da Fórum
07 de fevereiro de 2019, 15h14

O Bufo Poder de uma Rainha Cansada (“A Favorita”)

"A Favorita" está entre os favoritos de Marina Costin Fuser ao Oscar, por seu humor lúgubre. A trama satírica, dirigida pelo grego Yorgos Lanthimos, é costurada com uma agulha precisa que escancara a relação espinhosa entre sexo e poder de Anne, a patética rainha inglesa do século XVIII

Foto: Divulgação

Por Marina Costin Fuser*

A Favorita está entre os meus favoritos do Oscar, por seu humor lúgubre. A trama satírica, dirigida pelo grego Yorgos Lanthimos, é costurada com uma agulha precisa que escancara a relação espinhosa entre sexo e poder de Anne, a patética rainha inglesa do século XVIII, que está mais preocupada com seus coelhos saltitantes do que com a iminente guerra de seu país com a França. Sarah Churchill, a Duquesa de Malborough, conselheira e amante secreta da rainha, a manipula para que siga seus ímpetos bélicos. Até que a chegada de Abigail, a nova criada, desestabiliza os bastidores da corte, e por tabela, incide sobre a decisão entre guerra e paz.

As relações lésbicas pouco ou nada dizem sobre amor e libido, já que as rivais que disputam o leito da rainha não disfarçam que seu único interesse consiste em exercer controle sobre o trono. A rainha bufônica não tem a mínima compostura, e se arrasta como uma larva aos pés de sua fria amante. Seu corpo não se sustenta de pé, dado o peso fatídico de seu ofício, que lhe é tedioso. Suas pernas são frágeis, debilitadas, como se a preguiça de caminhar com as próprias pernas as tornassem inúteis. Suas tentativas de recobrar a compostura beiram ao ridículo, interrompidas por súbitos acessos de cólera, que recaem sobre seus subalternos.

O mais impressionante neste filme é o trabalho de iluminação e edição, que destaca os rostos e as silhuetas das personagens num fundo escuro, recriando na tela um ambiente burlesco, como num circo. O excesso é proposital, um recurso narrativo que não nos permite levar o enredo tão a sério. Até o trote dos cavalos é teatralizado, saltitante e desalinhado. A teatralidade exagerada dos personagens é caricata, sem pretensão de convencer. Como no momento em que Robert Harley, um Tory membro do parlamento, empurra Abigail na lama sem a mínima sutileza, repetindo a cena de sua chegada ao palácio, quando a personagem é empurrada para fora da carruagem. A repetição enfatiza seu lugar na cadeia alimentar: na lama. Da lama ela ascende, adquire título de nobreza, rouba o lugar de sua rival às custas de suas ardilosas falcatruas, mas só para descobrir que não há glória possível. Com ou sem pompas, seu destino é ser esmagada.

Os personagens masculinos são fracos, uns frouxos bestalhões de peruca, sem o mínimo controle sobre o desencadeamento dos eventos. Não obstante, após refletir sobre o protagonismo das mulheres no filme, concluí que apesar de serem elas as que dão as cartas, não há um único personagem grandioso na trama. São todos expostos ao ridículo. A tão almejada coroa não eleva a risível autoestima da rainha. A personagem mais imponente seria Sarah, mas seu destino é fadado ao fracasso. Ela vai perdendo a pose à medida que os joguetes de poder se invertem.

O filme é baseado em fatos reais, a partir de especulações acerca da relação da Rainha Anne com sua conselheira Sarah Churchill. Até mesmo a criada Abigail estaria entre os rumores da realeza, que teria sido também íntima da rainha. Apesar de sua inspiração histórica, o filme se apresenta como ficcional, sem pretensão de se ater aos fatos. A verdade que o filme transmite consiste na fabulosa crítica ao poder, dos bufos excessos que destacam os ridículos e desafiam toda autoridade possível.

*Concluiu o doutorado em Estudos de Gênero e Cinema na Universidade de Sussex com doutorado-sanduíche na UC Berkeley, é ativista e pesquisadora feminista e LGBT há mais de dez anos, contribuindo com artigos e charlas relacionados ao tema dentro e fora da academia. Publicou o livro Palavras que dançam à beira de um abismo: Mulher na dramaturgia de Hilda Hilst.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum