Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
27 de março de 2018, 15h45

“O Mecanismo” é um lixo moral, intelectual e artístico

Fosse o Lula o imbecil desonesto que a série apresenta e os problemas da direita brasileira estariam resolvidos

“O Mecanismo” é um lixo. A série é tão ruim, mas tão ruim que das profundezas da sua ruindade, talvez até nos ajude ao invés de atrapalhar. As suas mentiras deslavadas não são o que há de pior na série. O pior mesmo é a série em si. Os seus personagens são uma sequência de caricaturas bisonhas, com frases, reações e atitudes rastaqueras inacreditáveis. Pessoas reduzidas a atitudes intempestivas e previsíveis, todas sob a ótica do maniqueísmo barato dos almanaques antigos.

Pra dizer melhor e mais claramente, “O Mecanismo” lembra filmes “B” da guerra fria, onde os heróis americanos são prenhes de virtudes enquanto os soviéticos, alemães orientais e congêneres são estupidamente brutos, desinteligentes e capazes de toda e qualquer sordidez. Lembra um tanto também os filmes canhestros de faroeste, onde índios selvagens despudorados estupradores e cruéis são derrotados pelos velhos desbravadores do oeste, sob os aplausos da matinê.

Não existe, em momento algum, a menor chance, o menor indício de que as coisas poderiam não ter sido tão estúpidas quanto se apresentam, ou seja, poderiam ter um outro lado.

Duro crer que, mesmo o mais à direita de todas as criaturas, consiga engolir um Lula daqueles, ridiculamente caricaturado, imaturo, vacilando diante das opiniões assertivas e verticais de um marqueteiro. O Lula, esse mesmo que construiu um dos maiores partidos de massa do mundo das últimas décadas, venceu quatro eleições presidenciais seguidas e – até usando a lógica desonesta da série – teria montado o maior esquema de financiamento do mundo. Esse mesmo, quando aparece no filme, é um imbecil indeciso.

Fosse o Lula o imbecil desonesto que a série apresenta e os problemas da direita brasileira estariam resolvidos.

A despeito da construção dos personagens, os efeitos de iluminação e tempo desabam continuamente no lugar comum, onde os bandidos são mal iluminados e os momentos tristes se dão sob chuva torrencial e música pungente. Tudo na série é uma sequência infinda de lugares comuns mal elaborados.

Não bastasse isso, alguns dos atores que o diretor dispôs, que são excelentes, têm atuações deploráveis. O próprio Selton Mello, com repetidas confusões mentais, transtornos e manias que mal o deixam andar em linha reta, não convence o espectador em momento algum de que seria capaz de levantar uma investigação daquele tamanho.

Até mesmo o outrora ator de frente do grupo Macunaíma, do prestigiado Antunes Filho, Lee Taylor, faz um promotor resignado que passa o tempo com as sobrancelhas arqueadas e uma sombra canastrônica do grande artista que é, perdido entre diálogos que não se completam e cenas dispensáveis.

O pior de tudo, ou melhor, pra quem ainda perde tempo discutindo o conteúdo desonesto de “O Mecanismo”, é que não se entende nada do que é dito. O som da série é ruim, com tomadas terríveis que fazem o espectador se desesperar achando que ficou surdo da noite para o dia. Parte disto por culpa da narração enfadonha e com péssima dicção de Selton Mello e outra por um problema técnico mesmo.

Enfim, como disse acima, repito aqui, “O Mecanismo” é um lixo. Um lixo moral, intelectual e artístico. Baseado em inverdades e leviandades, ajuda a desmoralizar seus porta vozes e nos deixa um único alento.

O de estar do lado oposto ao seu lixo.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum