Professora compartilha filme inédito de Cacá Diegues onde viu seu pai, morto pela ditadura, pela primeira vez

Tatiana Roque, coordenadora do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ, foi procurada por Cacá Diegues que mostrou a ela o curta “Oito Universitários”

A Coordenadora do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ e Vice-presidente da Rede Brasileira de Renda Básica, Tatiana Roque, publicou em sua conta do Twitter, nesta quinta-feira (1º), uma comovente sequência onde conta história que envolve sua família e a ditadura militar.

Ela revela que, há dez anos, recebeu um filme de Cacá Diegues chamado Oito Universitários. No filme, recuperado após uma inundação no MAM, ela viu seu pai em movimento pela primeira vez. “Tinha 2 anos quando ele foi assassinado pela ditadura”, conta.

Ela ainda disponibilizou o filme logo após a thread. Veja abaixo:

“Há uns 10 anos, recebi um telefonema. Era Cacá Diegues, dizendo que havia reencontrado um filme perdido. Com as chuvas, a cinemateca do MAM tinha sido inundada e recolheram latas antigas de filme. Uma delas trazia o título: Oito Universitários.

O filme é de 1967, dirigido por ele, com narração de Hugo Carvana. São depoimentos simples, mas muito bonitos e bem filmados. Oito universitários daquela época falam de seus sonhos, lutas, utopias, mas também de suas dúvidas. Logo antes do AI-5. Dois são mais convictos.

Uma acredita na evolução histórica para o comunismo. Outro reafirma que os trabalhadores devem deter os meios de produção. Ela é minha mãe, ele meu pai. Eu nunca o tinha visto em movimento, nem lembrava de ouvir sua voz. Tinha 2 anos quando ele foi assassinado pela ditadura.”

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR