Deus se fez carne; a estupidez, presidente

"Pensar no Brasil, hoje, é um uma tarefa impossível. É impreCionante!" - Por Francisco Julio Xavier

Por Francisco Julio Xavier*

Sabe, o que cairia bem? O impeachment da mediocridade!

Vivemos em um estado de comoção geral das mentes que pesam. Pensar no Brasil, hoje, é um uma tarefa impossível.  É “impreCionante!”

Instituímos como senso comum a burrice, a mediocridade dos seres. A língua portuguesa está fadada à morte, à morte de desgosto, à baixaria, à mais rala, vil e ridícula posição de desprezo.

Os livros são, depreciavelmente, um amontoado de palavras, que devem ser decepados e jogado ao vento, e isso tudo, pelo simples fato de não ter eles – os livros – nenhuma consonância como a covardia, esdruxulas barbáries e precariedades de conteúdo que têm os seus opositores: as traças e os ratos.

Instituímos os vermes no poder. Para cada oficial se instalou o que eles têm de mais podre: um uma falha sistêmica de dignidade moral que os desqualificam como seres verdadeiramente: humanos.

Leonardo da Vinci, a mente gigante de mais de 500 anos, tem em seu reino de sabedoria os seus mais geniais experimentos e provas de que o obvio é, para o ser humano, ser repleto de arte, criatividade e criação plena de evolução de suas faculdades. Einstein faria e poderia demostrar da mesma forma. E o que dizer do gênio e patrono de nossa educação, Paulo Freire?

O que é bem sabido entre “Muitas coisas escritas” e “impreCionantes”  é que existe a mais profunda “baixeza” que uma nação poderia ter com “uma ponte para o futuro”.

Que futuro tem o os “sem futuro”?

O que se pode se esperar é a catástrofe. É vermos a “mediocridade” sendo emparelhada com o “dislate”, se chocando com a massa de ruminantes que festejam no inferno a ecumênica vontade de serem algo mais tolo e estapafúrdio que suas massas encefálicas adestradas possam comemorar em meio ao caos. Deu para entender? É obvio que não! Qualquer coisa sem nexo escrita aqui não poderia descrever isso que chamamos de brasileiros desvirtuados ou de direita, como queiram chamar.

Poderia dizer que construímos e colocamos em um só lugar o que há de mais pífio e vexatório: o suicídio do bom senso por meio da pequenez da burrice e do ódio.

Colocamos “debaixo de um mesmo teto” todos aqueles que eram fracassados e frustrados, os quais não chegariam lá por outro meio, a não ser, por uma “falsa notícia” de que existe vida inteligente entre uma pai, que liga a um filho, a uma primeira-dama, a um motorista e demais agregados, que por inúmeros anos e doses, mamam – não em conta gotas –  nas tetas de uma Brasil corrupto e ininterrupto de falhas grosseiras em suas histórias e estórias.

Hoje se orgulham os tolos por ter um representante que fala diferente.  É a velha história: “fale bem ou fale mal, mas fale”. Nesse caso não seria mau, seria desastroso, vergonhoso, descabido e autodestrutivo de tudo a sua, a dele e a nossa volta.

De uma forma mais certeira e clara, se fala, mas não fala nada que preste. Há estercos, tido como ouvidos que o ouvem. Sofrem também os tido como “dignos e sensíveis ouvidos”.

Poderíamos dizer que defeca pela boca, se soubéssemos onde ela está instalada. Nem os mais estudiosos dos livros “cheios de coisas escritas” chegaram a essa conclusão de onde a tal se localiza. Talvez a Nasa, ou qualquer corpo formado por ilustres pesquisadores do mundo possam ter resposta um dia. Até o momento, antes do meteoro cair e levar a todos nós, somente conseguiram identificar uma privada, a descarga, a fossa, a merda, as sangrias, e os esgotos que levam ao plano central da “COIZA”.

Deus se fez carne; a idiotice, presidente.

*Francisco Julio Xavier é ator e jornalista 

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum
Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR