Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
16 de janeiro de 2020, 22h16

Silvio Almeida: Negar a relação do liberalismo e da escravidão está no mesmo nível do terraplanismo

"Há uma farta literatura sobre como a base do pensamento liberal permitiu a naturalização da violência colonial", escreve o advogado Silvio Almeida

Foto: Divulgação/Faculdade 28 de Agosto

Por Silvio Almeida*

Negar a relação entre liberalismo e escravidão está no mesmo nível do terraplanismo e das campanhas anti-vacina. A escravidão moderna, de cunho racial e atrelada ao empreendimento colonial é, em grande medida, uma invenção dos liberais.

Há uma farta literatura sobre como a base do pensamento liberal permitiu a naturalização da violência colonial, a desumanização de não-europeus e a destruição de formas de vida não compatíveis com a reprodução da sociedades mercantis (Locke, Montesquieu, Hume, Adam Smith, Kant e Hegel defenderam ou justificaram o colonialismo europeu e até o racismo). Por isso é importante conhecer estes autores e entender como eles moldaram a cabeça mesmo daqueles que não os leram.

Kant e Hegel, são exemplos interessantes. Autores fundamentais do pensamento ocidental, influências incontornáveis em tudo o que se escreve ou escreveu sobre direito, política, economia e filosofia.

Kant, em um texto chamado “Observações sobre a natureza do belo e do sublime” em que afirma concordar com David Hume quando este disse que “não se encontrou um único [negro] sequer que apresentasse algo grandioso na arte ou na ciência, ou em qualquer outra aptidão”.

Para Kant, a diferença maior entre negros e brancos não estava nas “cores”, mas “na capacidade mental das raças”.

Hegel, em “Lições sobre a filosofia da história”, de 1831, afirma que “a África “é terra que permaneceu fechada, sem laços com o resto do mundo” e “debruçada sobre si mesma”, “sem história”, incapaz de ser conduzida à objetividade firme”, do “Deus” (cristão) ou do “Direito”.

Há bons livros sobre isso. O livro “Racismos”, de Francisco Bethencourt e “Contra-história do liberalismo”, de Domenico Losurso são exemplos de livros que, de maneira distinta, tratam do tema.

O professor Julio Velloso e eu também gravamos um curso online chamado “Direito civil e Escravidão” (porque liberal diz que gosta de direito constitucional, mas gosta mesmo é de direito civil) mostrando como direito civil e escravidão são duas pernas do mesmo corpo.

E por fim, sobre o “mal entendido” que é o liberalismo brasileiro – essa mistura lamentável de livre mercado, spencerismo e ódio do próprio país – já falou Alfredo Bosi em “Dialética da Colonização”: é a defesa da liberdade de ter um escravo para chamar de seu.

 

*Silvio Almeida é advogado, professor e presidente do Instituto Luiz Gama 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum