O que o brasileiro pensa?
29 de junho de 2020, 15h10

Unidade da esquerda por Belém; por Karol Cavalcante

"Em Belém, o PT vem sofrendo um declínio eleitoral nas últimas eleições, fruto do seu afastamento das lutas sociais, de uma política organizativa que protagonize a participação da base militante e de uma política de aliança equivocada que vem sendo aplicada pelas forças políticas majoritárias"

O deputado Edmilson Rodrigues (Reprodução/Facebook)

Por Karol Cavalcante*

O Diretório do PT de Belém decidiu na noite de sábado (27/06), por 35 a 10 votos, apoiar a pré-candidatura do Deputado Federal Edmilson Rodrigues (PSOL) à Prefeitura de Belém. Edmilson foi prefeito de Belém por dois mandatos pelo PT (1997 a 2004) e sua candidatura representa, hoje, a possibilidade da consolidação de uma frente ampla, envolvendo partidos, intelectuais e setores da sociedade comprometidos com a luta antifascista.

A decisão do Diretório se deu após um longo processo de debate interno que envolveu a participação de mais de 600 filiados. Pela primeira vez o PT da capital, que sempre resistiu a novos modelos de organização partidária, realizou encontros virtuais. Cerca de 1 mil filiados se manifestaram pela convocação de participar dos eventos virtuais e 600 filiados e filiadas tiveram a oportunidade de debater qual a melhor tática eleitoral para o PT de Belém. Foram realizados oito congressos distritais e dois seminários sobre juventude e mulheres que culminaram com o congresso municipal que reuniu mais de 130 delegados eleitos. Duas posições foram defendidas internamente, a de apoio à secretária estadual de Cultura, Úrsula Vidal (PODEMOS), e do apoio a Edmilson Rodrigues (PSOL). Além da aprovação por ampla maioria de apoio a Edmílson, o PT aprovou, também, o nome da ex-vereadora de Belém, Ivanise Gasparim, para representar o partido como candidata a vice-prefeita.

Belém é a principal cidade do Norte do Brasil, com 990.470  eleitores.  Nas  três últimas eleições, municipal e nacional, candidaturas de esquerda foram rejeitadas pelo eleitor da capital, evidenciando um certo conservadorismo do eleitor de Belém. Em 2018, por exemplo, Fernando Haddad que venceu no Pará, obteve apenas 22,30% dos votos no primeiro turno em Belém, enquanto Jair Bolsonaro obteve 43,18%. Já no segundo turno, Haddad também perdeu a eleição na capital, desta vez com uma diferença menor com 45,07% para Haddad e 54,93% para Jair Bolsonaro.

Essa será a primeira vez que PT e PSOL marcharão juntos em uma candidatura para a prefeitura de Belém, já que em 2012 e 2016, Edmilson foi candidato sem o apoio do PT que lançou candidatura própria nesses pleitos. Para além de PT e PDT (que já confirmaram participação na aliança liderada por Edmilson) são reais as chances de outros 4 partidos participarem dessa frente. Com um leque de aliança competitiva e que representa o conjunto dos setores de oposição ao governo municipal de Zenaldo Coutinho (PSDB) e a Bolsonaro, as eleições 2020 em Belém poderão ser polarizadas contra o candidato da direita representado pelo PSDB e o candidato do campo da extrema direita que deve aglutinar setores ideologicamente alinhados ao bolsonarismo.

A opção do PT da capital em construir uma frente de esquerda com Edmílson Rodrigues liderando, possibilitará a oxigenação do partido. Em Belém, o PT vem sofrendo um declínio eleitoral nas últimas eleições, fruto do seu afastamento das lutas sociais, de uma política organizativa que protagonize a participação da base militante e de uma política de aliança equivocada que vem sendo aplicada pelas forças políticas majoritárias que há anos exercem o controle burocrático do partido no Pará.

O processo vivido pelo PT Belém com os novos mecanismos de participação virtual inaugurou um novo modelo de participação militante, rompendo com antigas e cansativas formas presenciais. De forma surpreendente e inédita conseguiu atingir centenas de militantes que se apresentaram para ter voz e vez num processo de escuta que poderá significar uma mudança de cultura política e organizativa.

*Karol Cavalcante é Socióloga e Mestra em Ciência Política.

*Esse artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum