Fórumcast #20
14 de maio de 2018, 20h38

Empresária do RJ é denunciada por submeter empregada a trabalho escravo

Segundo o Ministério Público, empregada doméstica foi submetida a jornadas exaustivas, não tinha folga, era obrigada a se sentar no chão e ainda chegou a receber um "castigo" por ficar doente, sendo privada de alimentação e locomoção por sete dias

Imagem meramente ilustrativa. A identidade da trabalhadora doméstica foi preservada (Foto: EBC)

Por RBA

Uma empresária do Rio de Janeiro foi denunciada pelo Ministério Público Federal por ter, segundo o MPF, submetido “com consciência e vontade” uma empregada doméstica à condição análoga à de escravo, “submetendo-a a jornada exaustiva e a condições degradantes de trabalho, bem como restringindo-lhe a liberdade de locomoção em razão de dívida contraída”. O fato, ocorrido de 20 de dezembro de 2010 a 9 de fevereiro de 2011, ocorreu em Copacabana, tradicional bairro da zona sul carioca.

Os nomes da vítima e da denunciada não foram divulgados. De acordo com a denúncia, ambas vinham de Brasília para o Rio. Logo em 28 de dezembro, a empregada ficou doente e, por causa disso, segundo o MPF, a patroa aplicou uma suspensão de cinco dias. “Além disso, como forma de castigo/punição, a denunciada privou a vítima de alimentação e de liberdade de locomoção durante 7 (sete) dias, trancando a porta da cozinha que dava acesso à área de serviço”, afirma o Ministério Público do Rio na denúncia, assinada pelo procurador Paulo Henrique Ferreira Brito e encaminhada à 3ª Vara Federal Criminal.

Veja também:  Depois de culpar defensores dos direitos humanos por mortes, Witzel nega escolta a David Miranda

A vítima declarou que ficou sete dias sem alimentação, tomando apenas água. Teria ouvido que, sem trabalhar, não teria direito a comer.

Ainda segundo o relato da trabalhadora, ela foi submetida a uma jornada que ia das 7h até a meia-noite, sem folga e nem repouso semanal. “A denunciada também tratava a vítima de forma indigna, proferindo tratamento aviltante, além de não permitir que (nome) se sentasse nas cadeiras da residência, obrigando-a a sentar no chão”, diz a denúncia. Em todo o período trabalhado, a empregada ficou sem receber salários, “sob a alegação de que teria quebrado um vidro, manchado uma blusa e que o valor dos móveis que comprou da denunciada estavam sendo descontados de seu salário”.

Em alguns momentos, a empresária também teria ameaçado a trabalhadora, conforme depoimento à polícia. Teria afirmado que “aqui no Rio de Janeiro qualquer bandido ‘batia por por 50 reais’ e por 100 matava”.

O caso foi denunciado pelo Ministério Público do Rio em 2014. A Justiça Estadual declinou a denúncia para a área federal. A ação foi remetida ao MPF em abril deste ano.

Veja também:  Malafaia defende Eduardo Bolsonaro em embaixada e toma várias invertidas nas redes sociais

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum