Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
26 de outubro de 2018, 17h30

Estudante estuprada no Ceará tinha feito boletim de ocorrência sobre ameaças que vinha sofrendo

Desde que foi vítima de racismo e sexismo por homem desconhecido, mulher vinha sendo ameaçada por mensagens e ligações

Ato na Unifor (Reprodução/Facebook Sindsifce/Sinasefe)

A estudante negra que foi estuprada perto da Universidade de Fortaleza (Unifor) na tarde desta quinta-feira (25) já tinha feito um boletim de ocorrência na Polícia Civil no dia 23 para falar sobre ameaças de abuso sexual que ela vinha sofrendo desde o dia 10. Ela também estava sendo vítima de racismo por meio de mensagens e ligações que estava recebendo.

Segundo o registro, a vítima foi abordada no dia 10 por um homem branco, entre 25 e 30 anos, sem barba, cabelo curto e castanho claro e olhos claros. Ele estaria vestindo calça preta social, blusa social lilás e uma mochila de couro preta. De acordo com o relato da vítima, ele teria perguntado para ela o que ela estava fazendo no local e que ela disse que era estudante.

Em seguida o homem teria dito: “Como você ousa se vestir desse jeito? Aqui não é seu lugar, aqui não é lugar de escravos e de negros. Depois que o [Jair] Bolsonaro ganhar, a partir de primeiro de janeiro, nós vamos fazer uma limpa na universidade e vamos tirar sua gente. Aqui não é lugar de sua gente, não é espaço de vocês, sua macaca, suja”.

Ainda em depoimento, a vítima disse que, apavorada, passou a caminha rapidamente. O homem ainda teria continuado com as agressões verbais a seguindo: “Macaca, suja, eu sei o que vou fazer com você. Vou te colocar no seu lugar, lugar de escrava. E sabe o que a gente faz com escrava? A gente estupra! Vou pegar sua b… e arrombar toda e seu c… também”.

Depois disso, no dia 21 de outubro, ela recebeu uma ligação às 5h da manhã. A pessoa do outro lado da linha teria feito xingamentos sexistas. Ela desligou a ligação e depois passou a receber mensagens ameaçadoras de números aleatórios. Uma delas dizia: “Sabe o que vamos fazer? Te esfolar toda. Vamos arrombar tua b… sua negra suja, vagaba. Vou pegar seu vi e deixar todo arrombado até tu deixar de ser comunista. Petralha tem que ser estuprada sim”.

Outra mensagem recebida pela estudante dizia: “Acha que pode sair falando do capitão assim? Vamos te matar… e antes vamos te colocar no teu lugar de escrava, sua suja. (…) A macaca vai ser arrombada até aprender que com o capitão não se binca”.

Foi aí que ela recebeu uma terceira mensagem: “Pensa que é o que pra falar do capitão assim? Sua negra imunda. É Bolsonaro 17!!! Vamos fazer uma limpeza na Unifor. Preto vai morrer”. Ela continuou a receber ligações e que no dia 23, uma ligação disse que ela seria estuprada por três homens e que o ato seria filmado para que servisse de exemplo.

Nesta quinta, então, o ato foi consumado. Agora, o caso está sendo investigado sob sigilo na Delegacia da Defesa da Mulher. Em nota, a Unifor diz que “está tomando as medidas cabíveis junto às autoridades competentes e coloca a sua estrutura de apoio jurídico e psicológico para acompanhamento”.

Nesta sexta-feira (26), alunos da Unifor e de outras universidades realizaram um protesto em frente ao campus em ‘repúdio ao fascismo e ao abuso sexual’, entoando gritos de “ele não” e “fascistas não passarão”, contra apoiadores do candidato Jair Bolsonaro (PSL).


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum