Até Maduro já reconheceu vitória de Biden e Bolsonaro não

Presidente venezuelano publicou tuíte para “felicitar o povo estadunidense pelas eleições presidenciais e parabenizar o presidente eleito Joe Biden e a vice-presidente eleita Kamala Harris por sua vitória”

Até o presidente da Venezuela já se pronunciou. Sim, Nicolás Maduro publicou um tuíte na noite deste sábado (7), felicitando o senador Joe Biden, candidato do Partido Democrata, por sua vitória nas eleições presidenciais dos Estados Unidos.

“Felicito o povo estadunidense pelas eleições presidencial. Também parabenizo o presidente eleito Joe Biden e a vice-presidente eleita Kamala Harris por sua vitória”, disse Maduro, em suas redes sociais.

Desde que foi proclamado presidente eleito dos Estados Unidos, após a confirmação de seu triunfo no estado da Pensilvânia que garantiu os votos necessários para sua proclamação pelo colégio eleitoral, Biden já recebeu felicitações de líderes mundiais como Alberto Fernández (Argentina), Iván Duque (Colômbia), Sebastián Piñera (Chile), Emmanuel Macron (França), Pedro Sánchez (Espanha), Boris Johnson (Reino Unido), Angela Merkel (Alemanha) e Justin Trudeau (Canadá), entre outros.

Também já foi parabenizado por ex-presidentes do o brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva e o boliviano Evo Morales.

Quem ainda não se pronunciou foi Jair Bolsonaro. O atual presidente brasileiro passou a campanha inteira sem esconder sua preferência pelo adversário de Biden, o atual presidente Donald Trump, do Partido Republicano, que concorria à reeleição mas acabou perdendo a disputa.

Avatar de Victor Farinelli

Victor Farinelli

Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR