Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
02 de abril de 2019, 11h27

Bolsonaro enfrenta protesto e repete bordões em visita ao museu do Holocausto; veja vídeos

No Bosque das Nações, onde Bolsonaro foi após a visita ao museu, dois jovens israelenses seguravam cartazes em português com os dizeres: “ Proteger a Amazônia” e “Tolerância entre humanos e natureza”. Eles foram repreendidos pela polícia de Israel

Bolsonaro enfrenta protestos em Israel (Forum)

 Por Pedro Moreira, de Jerusalém, especial para a Fórum

Jair Bolsonaro enfrentou protesto de um grupo de pessoas que portavam cartazes alusivos ao golpe de 64 e imagens da vereadora Marielle Franco (PSol) – pedindo “Justiça” no caso do assassinato da política carioca – durante visita ao centro de memória do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém, nesta terça-feira (2).

O grupo ainda gritava palavras de ordem em hebraico. “Vergonha, o Fascismo não passará. Bolsonaro vá embora daqui, Brasil e Israel merecem coisa melhor”, diziam, falando nomes de militantes judeus mortos pela ditadura.

Em breve discurso, de menos de 2 minutos, Bolsonaro disse que o local é propício para “fazer exame de consciência”, repetindo a passagem bíblica de seu discurso de posse – “conheceis a verdade e a verdade vos libertará” – e o bordão que ele diz ser de sua “autoria”, e que foi escrito nos livros pelos lugares onde passou.

“Aquele que esquece seu passado, está condenado a não ter futuro”, disse, complementando após breve pausa: “Eu amo Israel”.

A Fórum está fazendo uma cobertura exclusiva da viagem do presidente Jair Bolsonaro a Israel e precisa do seu apoio. Clique aqui e saiba como ajudar

No local chamado Hall da memória, em que estão escritos no chão os nomes dos campos de concentração nazista, Bolsonaro assistiu à apresentação de um coral infantil, acionou a chamada chama eterna, depositou flores em nome do povo brasileiro e assinou o livro de visitantes.

O capitão visitou o Museu do Holocausto como parte da agenda do terceiro dia da visita oficial que faz a Israel. Em seu site, a instituição traz um breve histórico sobre a ascensão do partido nazista, que é classificado como um dos braços dos “grupos radicais de direita”. Bolsonaro está acompanhado do ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que defende a tese propagada nas redes sociais de que o nazismo é de esquerda.

No museu, encontra-se o maior acervo relacionado ao genocídio de cerca de seis milhões de judeus na Europa pelo regime alemão Nazista durante a Segunda Guerra Mundial.

A entidade foi criada em 1963, mas o prédio atual, de 4.200 metros quadrados e arquitetura arrojada é de 2005.

O museu tem dez salas de exposição e uma coleção que inclui testemunhos, objetos pessoais das vítimas, sobreviventes e daqueles que lutaram contra o nazismo.

Bosque das Nações
Na sequência, a comitiva seguiu para uma área próxima, chamada Bosque das Nações. Ali, Bolsonaro inaugurou uma placa com o nome dele. A cerca de duzentos metros, dois jovens israelenses, um homem e uma mulher, seguravam cartazes em português com os dizeres: “ Proteger a Amazônia” e “Tolerância entre humanos e natureza”.

A Policia israelense afastou os dois da área em que as autoridades passariam.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum