Piada na ONU: Brasil diz que protege direitos dos indígenas

Embaixador do país nas Nações Unidas afirmou ainda que um programa de proteção aos Direitos Humanos “foi reforçado e ampliado para incluir ambientalistas e comunicadores”, em total desacordo com a realidade

O embaixador brasileiro na Organização das Nações Unidas (ONU), Tovar da Silva Nunes, reagiu às críticas da alta comissária para os Direitos Humanos da entidade internacional, Michelle Bachelet, que na tarde de terça-feira (13) afirmou que o país está na lista das 40 nações em que o tema é mais preocupante, direcionando suas palavras especialmente para a condição dos povos indígenas.

“Os direitos dos povos indígenas são elementos fundamentais da nossa ordem constitucional”, disse o representante do Itamaraty na ONU, afirmando ainda que o Brasil é “favorável a um diálogo construtivo e equilibrado”.

Como argumento, Tovar explicou que, apenas este ano, seis operações realizadas pela Polícia Federal e por outros órgãos governamentais tiveram como alvo o combate a atividades ilegais e criminosas nos territórios indígenas ocupados pelos povos ianomâmis e mundukuru. O comentário citou justamente os dois povos originários mencionados por Michelle Bachelet em sua intervenção.

O diplomata brasileiro afirmou ainda que “valer também lembrar que, desde julho de 2019, com o Decreto 9.937, nosso Programa Nacional Para a Proteção dos Defensores dos Direitos Humanos foi ainda mais reforçado e ampliado para incluir especificamente ambientalistas e comunicadores”, uma versão sobre os fatos totalmente desconectada da realidade, já que a perseguição e a violência contra esses agentes, assim como aos indígenas dessas terras, têm crescido de forma exponencial no governo de Jair Bolsonaro, que adota um discurso de desrespeito às demarcações previstas em lei.

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR