Greve dos entregadores de aplicativo repercute na imprensa internacional

Sites como o espanhol El País e o árabe Al Jazeera destacaram a greve, seu líder Paulo Lima, e usaram o Brasil como exemplo de precarização das leis do trabalho

O breque dos entregadores de aplicativo, realizado em todo o Brasil nesta quarta-feira (1), foi um dos assuntos do dia na imprensa internacional. Meios de todo o mundo repercutiram os atos em todo o país, que mobilizaram dezenas de milhares de trabalhadores, em diferentes cidades.

Segundo o canal Al Jazeera, do Catar, principal veículo jornalístico do mundo árabe, “os entregadores exigem melhores salários e melhores condições de trabalho, especialmente com respeito aos horários de trabalho e medidas para garantir a saúde dos trabalhadores, que estão expostos em meio à pandemia de covid-19 – que tem no Brasil o seu epicentro atual”.

Já os meios europeus, como a rádio francesa RFI e o jornal espanhol El País, destacaram a liderança de Paulo “Galo” Lima, como criador do movimento Entregadores Antifascistas”.

O El País traz um perfil de Lima, mostrando-o como exemplo da precarização do trabalho no Brasil, e também lembrando que ele foi o responsável por um abaixo-assinado que visa obrigar os aplicativos a entregar café da manhã, almoço e janta aos entregadores, e também um kit higiene para proteger do coronavírus. A iniciativa já conta com cerca de 550 mil assinaturas.

A matéria da RFI traz declarações de Lima com fortes críticas à resistência dos aplicativos em oferecer melhores condições aos entregadores, e também ao governo de Jair Bolsonaro, por suas políticas sobre Trabalho e Saúde.

“O Brasil está pasando por un momento fascista. Temos um fascista no poder! Tenho a impressão de que quando uma pessoa idosa morre, este governo o celebra, como uma aposentadoria a menos a pagar”, comenta o líder dos Entregadores Antifascistas.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR