Homem negro é inocentado 44 anos depois de ser condenado à prisão perpétua nos EUA

Aos 64 anos, Ronnie Long só quer saber de restabelecer o contato com a sua família

Em 1976, Ronnie Long tinha 20 anos.

Ele foi acusado de roubar e estuprar uma mulher branca, Sarah Judson Bost (54), em seu domicílio na Carolina do Norte (EUA), no dia 25 de abril daquele ano.

Duas semanas depois, Bost foi levada para ver fotografias de suspeitos, e identificou Ronnie Long por este ser o único dos fotografados que usava uma jaqueta igual a do seu agressor.

A mãe de Long e sua esposa, com a qual tinha um filho de dois anos, afirmaram que o jovem era inocente e que estavam com ele no momento do crime.

Porém, mesmo diante da fragilidade das provas, um júri, composto exclusivamente por pessoas brancas, não teve dúvidas, e condenou o homem à prisão perpétua.

Na última quinta-feira (27), 44 anos depois, Long foi inocentado e colocado em liberdade.

Seu advogado, Jaime Lau, disse que provas indicando outro suspeito foram entregues à justiça, mas foram ignoradas.

Agora, um grupo de três juízes do Tribunal de Apelações determinou que Ronnie teve seus direitos violados, uma vez que existiam provas que apontavam sua inocência.

Publicidade

Segundo a juíza Stephanie Thacker, as provas que foram descartadas incluíam análises de laboratório que não vinculavam Long à cena do crime.

Além disso, os exames de DNA desapareceram do processo, junto com um registro contendo 43 marcas de digitais, encontradas no local, que não correspondiam às de Ronnie Long.

Publicidade

Por estas e outras negligências, a condenação foi anulada e Ronnie, finalmente, está livre.

Ao deixar a cadeia, ele desabafou: “Foi uma estrada muito longa, mas acabou. Agora acabou”.

Ele tem 64 anos e um neto que ainda não teve a oportunidade de conhecer.

Uma pesquisa da Universidade Cornell, dos Estados Unidos, revela que 45% dos estadunidenses possuem algum parente próximo (pai, mãe, irmão ou cônjuge) que já passou algum tempo na prisão.

Entre afro-americanos, 63% possuem algum parente na cadeia; a taxa cai para 48% entre os hispânicos e para 42% entre os brancos.

Os Estados Unidos é o país com a maior população carcerária do mundo, com mais de 2 milhões de pessoas presas.

Confira, abaixo, a primeira entrevista de Ronnie Long como um homem livre.

Avatar de Lelê Teles

Lelê Teles

Formado pela Universidade de Brasília, Lelê Teles é jornalista, roteirista e publicitário. É roteirista do programa Estação Periferia (TV Brasil) e da série De Quebrada em Quebrada (Prodav 09). Sua novela, Lagoas, foi premiada na Primeira Bienal de Cultura da UNE. Discípulo do Mestre Cafuna, prega o cafunismo, que é um lenitivo para a midiotia e cura para os midiotas.