Fórumcast, o podcast da Fórum
17 de julho de 2018, 10h27

HQ de brasileiro sobre escravidão concorre ao maior prêmio de quadrinhos do mundo

O HQ é composto por quatro contos que se baseiam em documentos reais para retratar a resistência dos escravos ao sistema colonial

O quadrinista Brasileiro Marcelo D'Salete (Foto: Rafael Roncato/ Divulgação)

O HQ “Cumbe” (2014), de Marcelo D’Salete, 38, é o único trabalho brasileiro a concorrer ao Eisner 2018, maior prêmio de quadrinhos do mundo.

Lançada nos últimos quatro anos nos EUA, em Portugal, na França, na Itália e na Áustria, “Cumbe” é composta por quatro contos que se baseiam em documentos reais para retratar a resistência dos escravos ao sistema colonial.

HQ “Cumbe”, de Marcelo d’ Salete (divulgação)

O troféu será entregue nesta sexta (20), no evento de cultura pop Comic Con, em San Diego, na Califórnia.

A história tem quase 200 páginas, desenhadas em preto e branco e narradas com poucos diálogos. D’Salete transforma em ficção histórias encontradas em relatos antigos, tentando imaginar a perspectiva do escravizado frente aos desmandos do período colonial.

A indicação à categoria de melhor edição americana de material estrangeiro demonstra, segundo D’Salete, o interesse crescente do público pela história da escravidão e do negro no Brasil.

D’Salete ficou surpreso com a repercussão: “Talvez isso se deva ao fato de que hoje temos um público negro de leitores cada vez maior e um público não negro também muito interessado. Acredito que isso venha da vontade de compreender melhor a nossa sociedade.”

Premiação anual criada em 1988, nos EUA, o Will Eisner Comic Industry Awards é considerado Oscar da indústria dos quadrinhos.

Leia a matéria completa na Folha

HQ “Cumbe”, de Marcelo d’ Salete (divulgação)


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum