Fórumcast #20
13 de dezembro de 2018, 15h57

Maduro diz que Bolsonaro participa de complô para matá-lo; filhos do capitão se revoltam no Twitter

"Ninguém no Brasil quer que o futuro Governo de Jair Bolsonaro se meta numa aventura militar contra o povo da Venezuela”, disse o presidente venezuelano.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL), participa de um complô com a Casa Branca e o governo da Colômbia com o intuito de matá-lo e impor uma nova administração ao país.

“Hoje venho, outra vez, denunciar o complô que se prepara na Casa Branca para violentar a democracia, me assassinar e impor um governo ditatorial na Venezuela. Ninguém no Brasil quer que o futuro Governo de Jair Bolsonaro se meta numa aventura militar contra o povo da Venezuela”, afirmou Maduro nesta quarta-feira (12), acusando diretamente John Bolton, assessor de segurança da Casa Branca, de encabeçar o suposto complô.

A declaração causou revolta nos filhos de Bolsonaro, que fizeram estocadas diplomáticas pelo Twitter, marcando a conta oficial do presidente venezuelano.

“@NicolasMaduro tenta construir um enredo para se dizer vítima quando uma inevitável contrarrevolução ocorrer na Venezuela. A sua narcoditadura já dá sinais de insustentabilidade e a fome já atinge até as suas forças armadas. O fim se aproxima e os venezuelanos que o trarão”, ameaçou o deputado federal eleito, Eduardo Bolsonaro.

Já o vereador Carlos Bolsonaro (PSC) foi sucinto em seu ataque. “RESPOSTA A @NicolasMaduro por ter ofendido Bolsonaro : “Viva La Revolucion!”.

O outro filho do capitão, Flávio Bolsonaro (PSL/RJ), ocupado em se defender das acusações sobre a movimentação suspeito de R$ 1,2 milhão de se ex-assessor, não se pronunciou no Twitter.

Veja também:  Amazônia e descaso de Bolsonaro se consolidam como tema internacional da semana

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum