Fórumcast, o podcast da Fórum
27 de março de 2019, 08h18

OCDE pode barrar entrada do Brasil por celebração do golpe ordenada por Bolsonaro, dizem especialistas

Entrada é articulada junto a Donald Trump, mas outros países podem recusar pedido por enxergar apologia à ditadura e traço autoritário do governo brasileiro

Especialistas ouvidos pela revista Exame, em reportagem publicada nesta terça-feira (26), acreditam que a retomada das comemorações do golpe militar de 31 de março de 1964 podem dificultar a entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), proposta que vem sendo discutida por Jair Bolsonaro e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Há risco de que parte dos países-membros compreendam a ordem do chefe de Estado brasileiro às Forças Armadas como um ato antidemocrático e de desrespeito aos direitos humanos.

A questão é pertinente porque a adesão de novos países depende do aval unânime dos que já integram o grupo. A França, um dos 37 membros da organização, é apontada por especialistas como um dos membros que pode resistir ao aceite.

Documento editado para marcar os 50 anos da OCDE , disponível no site da instituição, está definido que “os membros formam uma comunidade de nações comprometidas com os valores da democracia baseados no estado de direito e direitos humanos”.

“Essas declarações [que celebram o golpe] colocam em risco todo o esforço econômico para a entrada do Brasil no órgão. É um elemento de risco político grave”, pontua um analista com conhecimento no assunto.

Carolina Pedroso, professora de Relações Internacionais da Unesp, pontua, que comprovadamente, o golpe militar violou os direitos humanos.

“O país pode se prejudicar se houver o entendimento de que essa apologia à ditadura é um traço autoritário do atual governo por parte dos demais membros”, diz.

Segundo o relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV), grupo que analisou por mais de dois anos as violações durante os 21 anos da Ditadura Militar, o período deixou ao menos 434 mortes e mais de 200 desaparecidos.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum