Fórumcast, o podcast da Fórum
12 de junho de 2019, 08h13

Para tentar frear kirchnerismo, Macri anuncia peronista como vice em sua chapa para reeleição

A chapa causou controvérsia no país, já que, em 2015, Macri prometeu "tirar o peronismo do poder". Escolhido para vice, o senador Miguel Ángel Pichetto é um conhecido peronista com afinidade mais à direita

Miguel Ángel Pichetto e Mauricio Macri (Montagem)

Parece que as próximas eleições presidenciais na Argentina serão marcadas pela disputa dos vices mais polêmicos da história do país.

Se em maio, a surpresa veio por parte da ex-presidenta Cristina Fernández de Kirchner, que anunciou que seria vice, e não a candidata principal da sua chapa, que está sendo encabeçada por Alberto Fernández – que não é seu parente, mas foi seu ministro do Interior em 2008, e de Néstor Kirchner durante todo o seu mandato (2003-2007) –, neste mês, quem deixou o país surpreso foi o atual presidente Mauricio Macri, que esolehu o peronista Miguel Ángel Pichetto para ser vice em sua candidatura à reeleição.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Para contextualizar a notícia, é preciso lembrar que o peronismo é um setor político bastante amplo na Argentina, com discursos voltado a defender direitos sociais e trabalhistas, mas dividido entre subsetores que estão uns mais à esquerda e outros mais à direita.

O senador Pichetto, novo vice de Macri, é um conhecido peronista mais à direita, mas é conhecido por ser um operador político que mantém boa relação com todos os setores, a ponto de ter sido chefe de bancada no Congresso de três presidentes peronistas de projetos bem diferentes, como Carlos Menem (direita), Eduardo Duhalde (centro) e Néstor Kirchner (esquerda), razão pela qual poderia ser classificado como uma espécie de Michel Temer argentino – ao menos com respeito ao seu excelente manejo das bases, ainda é cedo para falar em seus ímpetos golpistas.

O curioso é que em 2015, durante sua campanha à reeleição, uma das grandes promessas de Macri para se mostrar como “a novidade” dentro da política argentina era que ele tiraria o peronismo do poder, e usou justamente Pichetto como exemplo do que ele não queria na política, como mostra este vídeo:

A recíproca também vale como contradição para a nova chapa, já que Pichetto vinha trabalhando desde 2018 para criar um núcleo dentro do peronismo que impulsasse uma candidatura presidencial liderada por ele, e nesse sentido, criticou fortemente o governo de Macri não poucas vezes: “este governo trouxe um processo de empobrecimento da classe média e dos trabalhadores, e é preciso frear esta situação”, disse o senador, em recente evento do Partido Justicialista, legenda símbolo do peronismo.

Além disso, a escolha de Miguel Ángel Pichetto como vice de Macri pode ser lida como uma grande traição por parte dos representantes da União Cívica Radical, histórica rival dos peronistas e considerada, de 2015 até ontem, como a mais importantes aliada estratégica do PRO (Proposta Republicana, o partido macrista).

As eleições argentinas serão realizadas no final deste ano, com primeiro turno marcado para o dia 27 de outubro, e um possível segundo turno no dia 24 de novembro.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum