Parlamento Europeu acusa Bolsonaro de “gestão criminosa” na pandemia e cobra investigação

Em resolução aprovada por maioria, eurodeputados pedem que autoridades que promovem desinformação sejam processadas e levadas à Justiça

Em debate promovido nesta quinta-feira (29) no Parlamento Europeu sobre a pandemia da Covid-19 na América Latina e violação dos direitos humanos, eurodeputados fizeram duras críticas ao presidente Jair Bolsonaro, acusado por eles de promover uma “gestão criminosa” da crise sanitária no Brasil.

Segundo reportagem de Jamil Chade, no UOL, deputados aprovaram uma resolução por maioria absoluta que recomenda que autoridades que fizeram campanhas de desinformação sejam processadas e levadas à Justiça. Apesar de não citar diretamente o presidente brasileiro, o documento foi visto como investida dos parlamentares contra a gestão da pandemia no Brasil.

Durante o debate, no entanto, o nome de Bolsonaro não foi poupado. A condenação foi geral ao negacionismo do presidente brasileiro.

“Com a gestão criminosa de Bolsonaro, ele em vez de fazer guerra ao vírus faz guerra contra a ciência”, acusou o deputado espanhol Miguel Urban Crespo, da esquerda europeia. Para ele, Bolsonaro faz “necropolítica e lesa humanidade”, acrescentando que “Bolsonaro é não apenas um perigo para o Brasil, mas para o mundo inteiro”.

A deputada alemã Anna Cavazzani afirmou que a tragédia sanitária no Brasil poderia ter sido evitada. “São quase 400 mil mortos no Brasil. É uma tragédia provocada por decisões políticas deliberadas. Para nenhum governo foi fácil. Mas tentar uma coisa, recusar é outra”, disse.

O texto aprovado não gera uma obrigação legal, mas reforça o isolamento do Brasil no exterior e a imagem desgastada de Bolsonaro na Europa.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.