Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
17 de novembro de 2019, 16h49

Vice de Evo Morales denuncia racismo em golpe na Bolívia: “Todos os mortos são indígenas”

"Para reprimir e matar índios, bastava obedecer ao que o ódio racial e de classe ordenava. E em apenas 5 dias já existem mais de 18 mortos, 120 feridos a bala", escreveu García Linera

Foto: Reprodução

O ex-vice presidente da Bolívia, Alvaro García Linera, denunciou em artigo publicado no jornal argentino Página 12 neste domingo (17) que as raízes do golpe de Estado na Bolívia, que forçou Evo Morales a renunciar no último domingo (10) possuem referências racistas, em especial contra os povos indígenas do país. Linera ainda ressaltou que todos os 18 mortos e 120 feridos a bala, até então, são indígenas.

O vice de Morales sustenta que o motim policial veio no exato momento em que forças populares passaram a se mobilizar para resistir ao golpe, também recuperando o controle territorial das cidades “com a presença de trabalhadores, mineiros, camponeses, indígenas e colonos urbanos”.

“Agora que se tratava de reprimir os índios revoltantes, o destacamento, a arrogância e a fúria repressiva eram monumentais. O mesmo aconteceu com as Forças Armadas”, escreveu Linera. “Em toda a administração do governo, nunca permitimos que os protestos civis fossem reprimidos, mesmo durante o primeiro golpe de estado civil de 2008. E agora, em plena convulsão e sem perguntar nada, eles declararam que não tinham elementos de revolta”, continuou.

Em seguida, Linera denuncia o massacre contra a população indígena, protagonizado pelo “ódio racial” das Forças Armadas. “Para proteger o índio, foi necessário um decreto. Para reprimir e matar índios, bastava obedecer ao que o ódio racial e de classe ordenava. E em apenas 5 dias já existem mais de 18 mortos, 120 feridos a bala. Claro, todos eles indígenas”, conclui.

Na quinta-feira (14), o governo golpista de Jeanine Añez assinou um acordo isentando as Forças Armadas de responsabilidade penal por mortos e feridos durante os protestos de rua contra o golpe. A ONU já fala em pelo menos 17 mortes decorrentes dos protestos, sendo 14 apenas nos últimos seis dias, período que sucedeu o golpe contra Evo Morales no último domingo (10).


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum