Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
23 de maio de 2017, 20h33

Abraji diz que “vê com preocupação” a divulgação de ligação de Reinaldo Azevedo

“A Lei 9.296/1996, que regula o uso de interceptações telefônicas em processos, é clara: a gravação que não interesse à produção de provas em processo deve ser destruída”, diz trecho da nota divulgada pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Confira a íntegra

Por Redação

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) divulgou, no final da tarde desta terça-feira (23), uma nota em que diz que “vê com preocupação” o fato de a Procuradoria-Geral da República ter anexado ao inquérito que investiga o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) uma interceptação telefônica de uma conversa entre o jornalista Reinaldo Azevedo e a irmã do senador, que está presa, Andrea Neves.

O trecho que foi anexado ao inquérito e divulgado mostra uma conversa entre Andrea e Reinaldo em que não há indícios de crime, e nem ligação com o objeto investigado. [Leia mais sobre o assunto na postagem do Blog do Rovai]

Para a Abraji, “a apuração de um crime não pode servir de pretexto para a violação da lei, nem para o atropelo de direitos fundamentais como a proteção ao sigilo da fonte, garantido pela Constituição Federal”.

Confira a íntegra da nota.

A Abraji vê com preocupação a violação do sigilo de fonte protagonizada pela Procuradoria Geral da República, que anexou transcrição de conversas gravadas entre o jornalista Reinaldo Azevedo e a irmã do senador afastado Aécio Neves (PSDB), Andrea Neves, a inquérito que corre no Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com o BuzzFeed News, a Polícia Federal não encontrou indícios de crimes nos diálogos, que não têm relação com o objeto do inquérito: a apuração do envolvimento de Andrea e Aécio em esquema de corrupção. A Lei 9.296/1996, que regula o uso de interceptações telefônicas em processos, é clara: a gravação que não interesse à produção de provas em processo deve ser destruída. O próprio Ministério Público, aliás, é que deveria cuidar para que isso aconteça.

A inclusão das transcrições em processo público ocorre no momento em que Reinaldo Azevedo tece críticas à atuação da PGR, sugerindo a possibilidade de se tratar de uma forma de retaliação ao seu trabalho.

A Abraji considera que a apuração de um crime não pode servir de pretexto para a violação da lei, nem para o atropelo de direitos fundamentais como a proteção ao sigilo da fonte, garantido pela Constituição Federal.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum