Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
05 de outubro de 2016, 07h50

Aumentar velocidade atende a poucos, não melhora o trânsito e causa mais riscos

Fórum conversou com alguns especialistas para entender melhor os impactos que a mudança proposta pelo prefeito eleito, João Dória (PSDB), tem para a cidade.

Fórum conversou com alguns especialistas para entender melhor os impactos que a mudança proposta pelo prefeito eleito, João Dória (PSDB), tem para a cidade

Por Victor Labaki

Uma das principais bandeiras defendidas pelo prefeito eleito por São Paulo, João Dória (PSDB), é de que ele irá aumentar os limites de velocidade de algumas vias da cidade. As ruas tiveram a velocidade máxima reduzida para 50 km/h durante a gestão de Fernando Haddad (PT) a partir de julho do ano passado.

Em várias entrevistas no dia seguinte da sua confirmação como candidato mais votado, Dória reiterou a proposta e disse que essa será sua primeira medida como prefeito.

“Na semana seguinte muda [a velocidade]. Só não muda no dia seguinte porque nós precisamos mudar a sinalização conforme determina o Código Nacional de Trânsito. As velocidades nas marginais vão para 90, 70 e 60 [km/h]. O restante da cidade vamos manter e rever, ponto a ponto, necessidade de revisão”, disse ao programa Bom Dia São Paulo, da TV Globo.

Desde que a velocidade foi alterada para 50 km/h, alguns balanços foram feitos e apontaram que a medida contribuiu para a redução no número de acidentes e não representaram um aumento de congestionamento.

Uma matéria publicada nesta terça-feira (4) pelo jornal O Estado de S.Paulo mostrou que as mortes em acidentes de trânsito caíram três vezes mais do que no restante do estado.  Na capital, o número de acidentes caiu 16,7% e foi de 775 para 645 ocorrências, entre janeiro e agosto deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. No restante do estado a diminuição é de 5,5%, de 4.093 para 3.867 mortes.

Mali Malatesta, especialista em mobilidade a pé, questiona quem de fato seriam os beneficiados por esse aumento.

“Qual o percentual da população que a gente atende quando está aumentando a velocidade? A maioria das pessoas está se beneficiando com isso? Um terço da população de São Paulo? Um pouco menos? Você acaba prejudicando quem anda a pé e o usuário do transporte público, que é um pedestre também”, disse.

Um dos argumentos utilizados pelo tucano é de que o aumento da velocidade ajudaria a aliviar o trânsito de São Paulo. De acordo com o professor Luiz Vicente Figueira de Mello, coordenador do curso de engenharia do Mackenzie Campinas e especialista em mobilidade urbana e gestão ambiental, essa afirmação não é verdadeira.

“Se você tem um número de vias que abastece com uma velocidade e aumenta a velocidade quando chega a Marginal, você tende a aumentar o trânsito. É como se você tivesse uma tubulação com água, por exemplo, e quisesse encher um balde. Se você aumentar a velocidade, você vai acabar criando um obstáculo, uma restrição”, afirmou.

Luiz Vicente Figueira de Mello disse que a diminuição das velocidades aumenta o tempo de frenagem e reação dos motoristas causando menos acidentes.

“As marginais Pinheiros e a Tietê são as que concentram o maior número de mortes por atropelamento. E ao diminuir velocidade você acaba reduzindo o número de mortes porque você aumenta o tempo de reação dos motoristas”, completou.

A probabilidade de uma lesão fatal quando a velocidade é 50 km/h é de 0,4%, quando velocidade é 60 km/h o percentual vai para 0,6%. A 90%, velocidade sugerida por Dória para as pistas expressas, a probabilidade vai para 1%, de acordo com um gráfico chamado “Curva de Ashton”.

Fonte: mobilize.org

Fonte: mobilize.org

O professor de física do colégio Santo Américo, José Eduardo Biasoto, explica a diferença de impacto entre veículos que estão a 70 km/h para os que estão trafegando a 90 km/h.

“Para analisar o aumento de 70 km/h a 90 km/h é a mesma coisa que você pegar e bater um carro a 20 km/h em um muro. Esta é a diferença. Claro que existem variáveis, como o tempo que o motorista demorou para frear, o peso do carro etc. Mas na prática a diferença é essa. Lógico que isso é a diferença entre o impacto a 90 km/h e 70 km/h”, afirmou.

Além dessas variáveis, a diminuição de limites de velocidade é uma recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde), conforme um relatório publicado em setembro deste ano.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum