Carne some dos pratos de 67% dos brasileiros, diz Datafolha

De maneira geral, o levantamento mostra que 85% das pessoas reduziram o consumo de algum item alimentício em 2021; entre as famílias com renda de 10 salários mínimos, a redução chega a 67%

e acordo com pesquisa DataFolha realizada entre os dias 13 e 15 de setembro, 85% dos brasileiros reduziram algum consumo de algum item alimentício desde o início de 2021. O destaque fica com a carne: 67% dos entrevistados revelaram que diminuíram o consumo.

Além disso, 51% diminuíram o consumo de refrigerante, 46% de leite, queijo e iogurte, e 41% do pão francês, de forma e outras formas de pães.

Outros itens que fazem parte do cotidiano do prato brasileiro, mas que diminuíram presença por conta da alta dos preços foi arroz (34%), feijão (36%) e macarrão (38%).

A pesquisa também revela que não há grande diferença entre o percentual de pessoas com redução no consumo de itens alimentícios na abertura por idade ou escolaridade, todos ficam na média de 85%.

Entre as famílias com renda de dez salários mínimos, 67% relatam ter cortado algum dos produtos acima citados.

Segundo dados da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Penssan), o Brasil tem hoje 19 milhões de pessoas em situação de fome. Em 2018 esse número era de 10,3 milhões.

Notícias relacionadas

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR