Cenas Dizíveis e Indizíveis: Raça e Sexualidade em Gilberto Freyre

O que segue abaixo é um link para meu mais recente artigo acadêmico, um estudo relativamente longo (8000 palavras) da interseção entre raça e sexualidade na obra de Gilberto Freyre, especialmente na trilogia Introdução à sociedade patriarcal no Brasil (Casa Grande e Senzala, Sobrados e mucambos, Ordem e progresso).  O texto pode interessar também a […]

O que segue abaixo é um link para meu mais recente artigo acadêmico, um estudo relativamente longo (8000 palavras) da interseção entre raça e sexualidade na obra de Gilberto Freyre, especialmente na trilogia Introdução à sociedade patriarcal no Brasil (Casa Grande e Senzala, Sobrados e mucambos, Ordem e progresso).  O texto pode interessar também a quem busca uma introdução à recepção da obra de Freyre. Antes de passar ao tema do artigo propriamente dito, faço um pequeno resumo das correntes principais de leitura da obra do pernambucano, desde os primeiros artigos acerca de Casa Grande e Senzala (1933) até o que se convencionou chamar a recente “retomada freyreana”.

Apesar de que tanto a questão racial como a sexualidade sempre estiveram no centro das discussões sobre Freyre, chamou-me a atenção que certas interseções entre os dois temas permanecessem indizíveis, tanto no texto freyreano como em sua fortuna crítica. “Indizível” aqui deve ser entendido em registro freudiano, ou seja, não como algo “não mencionado”, mas como aquilo que emerge  insistentemente enquanto indizível .

Assim, algumas das formas de expressão da sexualidade que entenderíamos como transgressoras e subversivas são extensamente tematizadas no texto freyreano com notável leveza: as aventuras de mulheres casadas, as vidas sexuais dos padres e as relações homossexuais entre garotos brancos e negros, para não falar, claro, da cena fundacional do mundo freyreano, o sexo entre o homem branco e a mulher negra.

Há uma outra cena, no entanto, que parece bem mais perturbadora e que não cessa de se inscrever, sendo sempre, no texto freyreano, exilada de forma preocupada para as notas de pé de página: falo do encontro do homem negro com a mulher branca, cena virtualmente ausente em toda a fortuna crítica de Freyre, apesar de estar longe, bem longe de ausente do texto de Freyre. Daí o título do artigo que os convido agora a ler:

 

Cenas dizíveis e indizíveis: Raça e sexualidade em Gilberto Freyre

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR