Adriana Dias

direitos humanos e acessibilidade

14 de agosto de 2017, 14h46

Cinco pontos para pensar a gravidade do evento de Charlottesville

Grupos neonazis como poucas vezes reunidos, Trump não se manifestou expressivamente, um assassinato, empresas demitindo neonazis identificados. Adriana Dias, especialista em neonazismo, analisa pontos importantes a serem pensados sobre o evento em Charlottesville (EUA). Leia em sua coluna 

Por Adriana Dias*

O Southern Poverty Law Center (SPLC) classificou o evento como o maior encontro nacionalista de defesa da supremacia branca em décadas. A gravidade está no fato de que grupos neonazis, de diferentes vertentes, que poucas vezes foram reunidos, estavam lutando juntos: neo-confederados, skins, grupos da Klan, neo-nazis religiosos, grupos nacionalistas e de supremacia branca de origens diversas. Isso é assustador: muitos grupos de ódio reunidos em torno de causa comum.

O presidente Trump não se manifestou imediata e expressivamente contra os neonazistas, inclusive porque eles fazem parte de sua base eleitoral. Muitas páginas neonazis fizeram grande campanha para ele e comemoraram sua vitória.

Houve um assassinato deliberado e feridos. E o número de vítimas poderia ser maior. Quando James Fields Jr jogou o carro para cima dos participantes ele sabia o que poderia acontecer.

O fato aconteceu numa universidade, e usou a web para convocar pessoas de todas as localidades. Plataformas de hospedagem como o Airbnb se recusaram a fornecer dados de hospedagem para o evento, o que deixa claro que neutralidade é uma palavra que deixa de existir na rede totalmente a partir de agora. Diante do neonazismo, da extrema-direita, exige-se posicionamento.

Empresas estão demitindo neonazis identificados. Usuários do Twitter tem localizado participantes da manifestação neonazi e as empresas tem se manifestado, demitindo-os. È preciso tomar posição. Veja aqui.

*Adriana Dias é formada em Ciências Sociais e mestre e doutoranda em Antropologia Social pela Unicamp. Coordena o Comitê “Deficiência e Acessibilidade, da Associação Brasileira de Antropologia. Também é membro da American Anthropological Association


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum