Adriana Dias

direitos humanos e acessibilidade

14 de agosto de 2017, 14h46

Cinco pontos para pensar a gravidade do evento de Charlottesville

Grupos neonazis como poucas vezes reunidos, Trump não se manifestou expressivamente, um assassinato, empresas demitindo neonazis identificados. Adriana Dias, especialista em neonazismo, analisa pontos importantes a serem pensados sobre o evento em Charlottesville (EUA). Leia em sua coluna 

Por Adriana Dias*

O Southern Poverty Law Center (SPLC) classificou o evento como o maior encontro nacionalista de defesa da supremacia branca em décadas. A gravidade está no fato de que grupos neonazis, de diferentes vertentes, que poucas vezes foram reunidos, estavam lutando juntos: neo-confederados, skins, grupos da Klan, neo-nazis religiosos, grupos nacionalistas e de supremacia branca de origens diversas. Isso é assustador: muitos grupos de ódio reunidos em torno de causa comum.

O presidente Trump não se manifestou imediata e expressivamente contra os neonazistas, inclusive porque eles fazem parte de sua base eleitoral. Muitas páginas neonazis fizeram grande campanha para ele e comemoraram sua vitória.

Houve um assassinato deliberado e feridos. E o número de vítimas poderia ser maior. Quando James Fields Jr jogou o carro para cima dos participantes ele sabia o que poderia acontecer.

Veja também:  Manifestantes erguem "Lula Livre" gigante na Central do Brasil, no Rio

O fato aconteceu numa universidade, e usou a web para convocar pessoas de todas as localidades. Plataformas de hospedagem como o Airbnb se recusaram a fornecer dados de hospedagem para o evento, o que deixa claro que neutralidade é uma palavra que deixa de existir na rede totalmente a partir de agora. Diante do neonazismo, da extrema-direita, exige-se posicionamento.

Empresas estão demitindo neonazis identificados. Usuários do Twitter tem localizado participantes da manifestação neonazi e as empresas tem se manifestado, demitindo-os. È preciso tomar posição. Veja aqui.

*Adriana Dias é formada em Ciências Sociais e mestre e doutoranda em Antropologia Social pela Unicamp. Coordena o Comitê “Deficiência e Acessibilidade, da Associação Brasileira de Antropologia. Também é membro da American Anthropological Association


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum