Fórumcast #19
03 de setembro de 2015, 14h25

Conheça a história de Aylan, o bebê da foto que comoveu o mundo

A imagem de uma criança morta em uma praia da Turquia, divulgada nessa semana, causou comoção no mundo inteiro. O menino em questão era Aylan Kurdi, tinha três anos e perdeu a vida junto com o irmão Galip, de cinco anos, e a mãe, Rehan, após o naufrágio de uma pequena embarcação. A intenção da família era chegar à ilha grega de Kos, pois o pedido de asilo havia sido rejeitado pelas autoridades do Canadá.

A imagem de uma criança morta em uma praia da Turquia, divulgada nessa semana, causou comoção no mundo inteiro. O menino em questão era Aylan Kurdi, tinha três anos e perdeu a vida junto com o irmão Galip, de cinco anos, e a mãe, Rehan, após o naufrágio de uma pequena embarcação. A intenção da família era chegar à ilha grega de Kos, pois o pedido de asilo havia sido rejeitado pelas autoridades do Canadá

Por Redação

A imagem de uma criança morta em uma praia da Turquia, divulgada ontem (2), causou comoção no mundo inteiro. O menino em questão era Aylan Kurdi, tinha três anos e perdeu a vida junto com o irmão Galip, de cinco anos, e a mãe, Rehan, após o naufrágio de uma pequena embarcação. A foto virou um símbolo do drama enfrentado por milhares de refugiados que buscam abrigo e se arriscam em perigosas travessias.

Da família, apenas o pai, Abdullah, sobreviveu. Eles eram curdos e viviam em Kobane, região dominada pelos jihadistas do Estado Islâmico (EI). A intenção era chegar à ilha grega de Kos, pois o pedido de asilo havia sido rejeitado pelas autoridades do Canadá, onde tinham parentes. Segundo o Guarda Costeira turca, apenas nos primeiros cinco meses de 2015, 42 mil pessoas foram resgatadas no Mar Egeu. Na semana passada, foram mais de 2 mil.

Veja também:  UNE promete novo tsunami da educação nesta terça-feira

Parentes dos Kurdi no Canadá disseram que o pai telefonou para informar sobre a morte das crianças e da companheira. E que desejava voltar à Síria para enterrar a família. Em entrevista à agência de imprensa Dogan, Abdullah falou sobre a tragédia. “Nós tínhamos colete salva-vidas, mas o barco virou rapidamente porque as pessoas se levantaram. Eu estava de mãos dadas com minha mulher, mas meus filhos escorregaram das minhas mãos”, lamentou.

Foto de capa: Reprodução


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum