Fórumcast #20
12 de novembro de 2014, 16h51

Débora Maria: “Não podemos continuar nesse conformismo de achar natural a polícia matar”

A coordenadora do movimento Mães de Maio é uma das participantes do seminário "A Periferia no Centro: cultura, narrativas e disputas", organizado pela Fórum

A coordenadora do movimento Mães de Maio é uma das participantes do seminário “A Periferia no Centro: cultura, narrativas e disputas”, organizado pela Fórum

Por Anna Beatriz Anjos 

Débora Maria da Silva, coordenadora do movimento Mães de Maio, é uma das mais firmes vozes contra a violência policial no Brasil. Após ter enterrado, em 2006, o filho Edson, assassinado durante a série de execuções que ficou conhecida como “Crimes de Maio”, passou a travar incansável luta contra o modelo de segurança pública que vigora no Brasil. Para falar sobre o assunto, ela participará, na próxima sexta-feira (14), do seminário “A Periferia no Centro: cultura, narrativas e disputas”, promovido pela Fórum, em parceria com a Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo, e com apoio do SPressoSP e iG. (para se inscrever, clique aqui).

Uma das bandeiras mais defendidas por Débora é a desmilitarização das polícias. “Não tem como aceitar que a gente vive em um Estado democrático de direito com a polícia militarizada. Essa militarização, um resquício da ditadura militar, tem que ser banida”, aponta. “Não podemos continuar nesse conformismo de achar natural a polícia matar, fazer desaparecimentos forçados, como o caso do Amarildo.”

Veja também:  Nepotismo: parecer de consultoria do Senado proíbe Eduardo Bolsonaro de ser embaixador em Washington

Além disso, ela considera que há um viés racista na atuação dos agentes de segurança. “Tem alvo certo: preto, pobre e favelado. Quando se mata, se mata mais negros. Quando se encarcera, se encarcera mais negros. O racismo é institucional”, afirma.

Ainda segundo a ativista, em poucos momentos a truculência com que age a PM transpassou os limites das periferias. Um deles foi junho de 2013, quando eclodiram diversas manifestações pelo país, reprimidas duramente pelos policiais. “Nas manifestações de junho, o povo foi pra rua e não eram só os pobres apanhando – a classe média alta sentiu o peso do braço armado do Estado, da violência do Estado”, explica.

Por conta da seletividade a que está submetida a população das periferias, Débora considera urgente o empoderamento dessas pessoas. “A periferia é marginalizada. O Estado joga a população pobre e negra cada vez mais longe do centro. Nós temos que ocupar o centro, porque favela e periferia é cidade”, coloca. “Nossos governantes têm que nos respeitar, dar saúde e educação de qualidade e moradia digna.”

Veja também:  PT apresenta ações contra Bolsonaro no STF e na PGR por censura, LGBTfobia e calúnia

Foto de capa: Reprodução/Youtube


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum