O que o brasileiro pensa?
13 de setembro de 2007, 14h14

Diversidade e direito a educação são tema de conferência

Para Camila Croso, conferência do Eixo 3 do FME do Alto Tietê conseguiu apontar caminhos para o trabalho dos movimentos no dia-a-dia

Para Camila Croso, conferência do Eixo 3 do FME do Alto Tietê conseguiu apontar caminhos para o trabalho dos movimentos no dia-a-dia

Por Redação

A conferência sobre o Eixo 3 do Fórum Mundial de Educação do Alto Tietê sobre “Práticas em Educação: os Cenários da Diversidade” conseguiu apontar caminhos na luta pelo direito à educação. A avaliação é de Camila Croso, coordenadora da mesa. Em entrevista à Fórum, a coordenadora executiva da Campanha Latino Americana pelo Direito a Educação (www.campanaderechoeducacion.org) disse ter saído inspirada para o trabalho.

Os expositores da mesa da manhã desta quinta-feira, 13, foram Denise Carreira, da Plataforma Direitos Humanos, Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais – Brasil (DHESCA), Pierre Founkoua, camaronense representante da Unesco e Beatriz Gonzalez Soto, colombiana da ONG Viva la Ciudadania.

O FME segue durante a tarde com atividades autogestionadas. À noite painéis temáticos e atividades culturais fecham o dia. O evento vai até domingo, 16.

Confira a entrevista com Camila Croso.

Fórum – Após o encerramento da conferência, qual sua avaliação das falas
Camila Croso –
Gostei muito do resultado. Apesar de esse formato de conferência não permitir o debate, o que é uma pena, as falas foram complementares e conseguiram apresentar caminhos, mesmo sendo formulações teóricas a partir da prática deles. A Denise [Carreira] conseguiu apresentar questões bastante práticas, de como lutar pelo direito a educação, exigindo a partir das leis, que os movimentos nem sempre conhecem a fundo. É salutar, em um evento como este, que se apresentem caminhos novos aproveitando o ambiente de debate. A Beatriz [Gonzalez Soto] discutiu a problemática da concepção mais geral. O Pierre Founkoua foi inspirador ao lembrar que a construção de outro mundo possível precisa ser pensada e construída em cima de princípios. Ele fez esse mergulho que, no dia-a-dia, nem sempre conseguimos fazer, de reflexão sobre ética e valores. Os princípios que pavimentam o caminho, apontando a crença permanente no ser humano, de colocar o cidadão como sujeito da transformação. Saio inspirada da conferência. Foram falas propositivas, felizmente esta conferência teve esse diferencial, essa característica, espero que as outras mesas aproveitem esse espaço que o Fórum permite a quem fala, a quem provoca, de apontar caminhos.

Fórum – Qual sua análise desse FME realizado em Mogi das Cruzes, fora da capital do estado, diferentemente do que ocorreu até hoje?
Croso –
Estou elogiando bastante, porque acredito que isso faz parte do princípio da equidade, de movimentar os eixos de discussão. Com esse deslocamento, o Fórum pode semear a ação coletiva, permitido que o movimento possa envolver outras pessoas. O Fórum, com essa prática evita a reprodução da relação centro-periferia que a gente tanto critica. Essa mudança geográfica, de tirar das capitais é um acerto político e uma construção prática.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum