Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
23 de agosto de 2013, 09h56

Egito e Argélia: só diferenças

Diferente dos islamistas argelinos, a Fraternidade Muçulmana existe há décadas como movimento clandestino e é capaz de adaptar-se, sabendo distinguir tática de estratégia

Diferente dos islamistas argelinos, a Fraternidade Muçulmana existe há décadas como movimento clandestino e é capaz de adaptar-se, sabendo distinguir tática de estratégia

Por MK Bhadrakumar, Indian Punchline, traduzido pelo pessoal da Vila Vudu e publicado em redecastorphoto. Original em “Egypt, Algeria like chalk and cheese

O autor e acadêmico Robert Zaretsky traça alguns paralelos interessantes entre o ataque dos militares argelianos aos islamistas, no início dos anos 1990s, e o que está acontecendo atualmente no Egito. Em Foreign Policy,  Zaretsky avalia que o Egito também se encaminha para uma “década negra”.

El Baradei e Morsi, personagens da crise atual no Egito

Há semelhanças logo à primeira vista, porque os militares argelianos também se autoapresentavam como defensores da democracia e também caricaturizavam os islâmicos como “antidemocráticos” e fanáticos. O ocidente fez-se de cego ante a carnificina na Argélia e mostra-se ambivalente hoje, ante o golpe no Egito.

Mas os paralelos praticamente acabam aí.

Diferente dos islamistas argelianos, a Fraternidade Muçulmana existe há décadas como movimento clandestino e sobreviveu à repressão pelo estado. A Fraternidade é capaz de adaptar-se e assume protoformas e muitas caras – no início da revolução da Praça Tahrir, trabalhou secretamente com os militares egípcios. E a Fraternidade Muçulmana sabe distinguir entre tática e estratégia.

Além disso, a Fraternidade é, pode-se dizer, um conglomerado de pequenos grupos de bairro que fazem trabalho caritativo, o que a liga de modo quase inseparável às massas miseráveis que não podem ser destruídas nem dizimadas em operações cirúrgicas.

E há ainda um ambiente regional no Oriente Médio hoje, que não era o mesmo há 20 anos passados. Diferente dos islamistas argelianos, a Fraternidade tem uma extensa rede por todo o Golfo Persa, a Jordânia, a Síria e além.

O Hamás é fruto da Fraternidade, o que a torna protagonista do problema palestino e do conflito árabes-israelenses. Muito diferente disso, os islamistas argelianos foram duas vezes removidos da questão do Oriente Médio.

A Primavera Árabe enfrenta ameaça extrema, mas a demanda por reformas e mudanças continuará a se fazer ouvir. O acordo construído para o Oriente Médio pelas antigas potências coloniais e a ordem política de então, depois da desintegração do Império Otomano há 100 anos, foram desmontados. O Egito portanto, continuará preso no torvelinho regional do qual não há saída. O Egito não é a Argélia, mas o coração pulsante do mundo árabe – e a Argélia é mais mediterrânea que oriental.

O dilema da junta egípcia será que não pode sustentar alguma total supressão permanente dos islamistas. Questão tortuosa que já surge é o papel do Partido Nour salafista,   que gozou de consistente apoio clandestino dos sauditas, e ficou na corda bamba depois da deposição do governo da Fraternidade. Antes do que se pensa, será forçado a assumir posição ao lado do Islã político, e a junta egípcia depende criticamente dos bilhões do Golfo, como diz a Agência Reuters, para sobreviver.

E o processo está apenas começando e ainda não se sabe como o Egito reage à libertação de Hosni Mubarak. Os alinhamentos políticos focados na antipatia contra Mohamed Mursi já duram mais do que a utilidade que tiveram para seus protagonistas. Quem algum dia previu que o rápido flerte entre Mohamed El Baradei e a junta tomaria o rumo bizarro que tomou? Basta isso, para saber que o novo alinhamento das forças políticas no Egito pode ainda trazer surpresas.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum