Em meio a repercussão internacional, Bolsonaro tenta se desassociar da perseguição a Glenn

Bolsonaro imita Trump e diz que editorial do News York Times é "fake news"

Publicidade

O presidente Jair Bolsonaro republicou nesta quarta-feira (22) em seu Twitter uma mensagem da Secretaria de Comunicação Social da Presidência (Secom) comentando sobre as críticas que o governo brasileiro recebeu no exterior por conta da perseguição travada contra o jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept Brasil.

Em postagem que taxa editorial do New York Times como “Fake News”, a Secom diz: “A decisão de denunciar à Justiça Federal o jornalista americano Glenn Greenwald, por envolvimento com hackers que invadiram celulares de autoridades, é do Ministério Público Federal – instituição pública com autonomia e independência garantidas pela Constituição Federal”.

Na publicação, o veículo aponta que a denúncia contra o jornalista Glenn Greenwald pelo Ministério Público Federal (MPF) é um grave ataque à liberdade de imprensa e ao Estado democrático de Direito no Brasil.

O jornal ainda destaca que Glenn cumpriu com seu papel ao revelar “uma verdade dolorosa sobre os que estão no poder” e que isso afetou duramente o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e o presidente Jair Bolsonaro.

Os ataques à imprensa promovidos por Bolsonaro também são comparados com os feitos pelo presidente dos EUA, Donald Trump – que, com frequência, chama a mídia de “fake news”. “Infelizmente, atacar uma imprensa livre e crítica se tornou uma pedra angular da nova geração de líderes liberais no Brasil, como nos Estados Unidos e em outros lugares do mundo”, afirma.

Outros veículos também repercutiram a denúncia contra Glenn, incluindo o Washington Post, que publicou um artigo do ex-presidente Lula.

 

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR