Em nova sabotagem ao isolamento, Bolsonaro classifica academias e salões de beleza como essenciais

Decreto do presidente contorna decisão do STF e pressiona reabertura junto a governadores e prefeitos em pandemia que já matou mais de 11 mil no país

O presidente Jair Bolsonaro classificou como atividades essenciais academias de esporte, salões de beleza e barbearias, em decreto publicado nesta segunda-feira (11).

A medida é mais um ato de sabotagem de Bolsonaro ao isolamento social, necessário para conter a pandemia de coronavírus e recomendado pelas principais autoridades saúde de todo o mundo.

Nas últimas semanas, enquanto o país soma mais de 11 mil mortos por coronavírus, o presidente tem dado declarações contra o isolamento e promovendo ele próprio atos de aglomeração.

Depois de atritos entre Bolsonaro e governadores que defendem o isolamento, decisão do Supremo Tribunal de Federal estabeleceu que cabe aos governadores e prefeitos decidir sobre as medidas de restrição de circulação e o fechamento de atividades não essenciais.

O decreto de Bolsonaro, ao incluir atividades que ampliam circulação e contato de pessoas como essenciais, pode minar os esforços dos governadores e acirrar protestos de bolsonaristas pela reabertura.

“Coloquei hoje, porque saúde é vida: academias, salão de beleza e cabeleireiro, também. Higiene é vida. Só três [foram definidas] hoje”, debochou o presidente, na entrada do Palácio do Planalto, pouco antes da publicação do decreto e indicando que mais atividades devem ser colocadas como essenciais nos próximos dias.

Avatar de Ricardo Ribeiro

Ricardo Ribeiro

Correspondente da Fórum na Europa. Jornalista e pesquisador, é mestre em Jornalismo e Comunicação pela Universidade de Coimbra e doutorando em Política na Universidade de Edinburgh. Trabalhou na Folha de S.Paulo, Agora e UOL, entre 2008 e 2017, como repórter e editor.