Fórum Educação
13 de Maio de 2020, 17h58

Empresa terá que indenizar funcionária negra que foi amarrada por sair mais cedo

A Autoliv do Brasil não demitiu os funcionários que cometeram crime de racismo e danos morais, em Taubaté (SP)

Autoliv do Brasil, em Taubaté, São Paulo (Foto: Reprodução)

A empresa Autoliv do Brasil, fabricante de peças da indústria automobilística sediada em Taubaté (SP), terá que indenizar uma funcionária em R$ 180 mil por danos morais e racismo.

A funcionária foi amarrada como punição por ter saído mais cedo do expediente. A decisão da 7ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região foi proferida na última terça-feira (12).

O caso aconteceu em 2015. Segundo o processo, a funcionária saiu mais cedo do trabalho e, no dia seguinte, dois superiores passaram fita crepe nos pulsos da vítima e em seus próprios braços, prendendo a funcionária a eles. Em seguida, a mulher de 42 anos foi arrastada pelo galpão da empresa para servir de exemplo para outros funcionários não cometerem o mesmo erro. A ação foi confirmada pelos acusados em depoimento.

Além de ter sido agredida fisicamente, a funcionária também sofreu racismo na empresa. De acordo com o processo, um dos chefes parabenizou a mulher pelo seu dia. A vítima ficou sem entender, pois não era seu aniversário. Questionado, o chefe respondeu: “Por ser o dia do negro, em referência ao Dia da Consciência Negra”.

A Autoliv não demitiu os funcionários condenados.

Com informações da revista Carta Capital


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags