Segunda Tela

23 de fevereiro de 2019, 21h35

Especialista diz na GloboNews que é injusto empregada se aposentar antes da patroa

"As nossas regras são tão injustas que empregada doméstica se aposenta 10 anos antes da patroa e há gente que defende que isso é razoável", disse economista Paulo Tafner. Comentário causou indignação de lideranças nas redes sociais

O economista Paulo Tafner - Reprodução/LinkedIn

O economista Paulo Tafner, do Instituto Millenium, causou indignação após dizer, em uma entrevista para a GloboNews, que a reforma da Previdência corrige a “injustiça” de a empregada se aposentar antes da patroa.

“Como eu sempre costumo dizer, as nossas regras são tão injustas que empregada doméstica se aposenta 10 anos antes da patroa e há gente que defende que isso é razoável”, disse ele.

O deputado Paulo Pimenta (RS), líder do PT na Câmara dos Deputados, disse que Tafner é um “legítimo representante da Casa Grande”. “Paulo Tafner, do Instituto Millenium, diz que a empregada doméstica no Brasil ‘se aposenta 10 anos antes da patroa’ … É por coisas como essa que vamos derrotar esse confisco da Previdência que Bolsonaro quer fazer!”, escreveu ele no Twitter.

Liderança do movimento por moradia e candidato pelo PSOL nas últimas eleições presidenciais, Guilherme Boulos também se manifestou. “Sincericídio dos apoiadores da reforma da Previdência: ela vai corrigir a ‘injustiça’ da empregada doméstica se aposentar antes da patroa. O cinismo da Casa Grande não tem limite”, tuitou.

Veja também:  Câmara dos Deputados aprova projeto que libera posse de armas em propriedades rurais 

A blogueira feminista Lola Aronovitch também se indignou. “O cara do Instituto Millenium teve a cara de pau de defender a reforma da previdência na Globo News dizendo que  uma empregada doméstica no Brasil se aposenta 10 anos antes da patroa”, postou.

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum