Fanáticos cristãos hostilizam médico e tentam invadir hospital onde menina de 10 anos fará aborto

Comunidades católicas e evangélicas de Recife se mobilizaram após tuítes da bolsonarista Sara Winter, que revelou detalhes da operação para se fazer o aborto da criança, vítima de estupros por parte de um tio durante quatro anos

O caso da menina de 10 anos grávida devido ao estupro sofrido por parte de um tio se tornou uma novela neste domingo (16), depois que a campanha de grupos bolsonaristas para evitar que a menor possa realizar um aborto ganhou dimensões absurdas.

Um dos episódios dessa novela foi a mobilização de grupos cristãos ultraconservadores que realizou um cordão na entrada do hospital da capital pernambucana onde a menina teria sido levada para fazer o aborto. Um desses grupos seria a comunidade católica Porta Fidei, mas também há relatos sobre a presença de grupos evangélicos no local.

Vídeos difundidos nas redes sociais mostram que a iniciativa do grupo visava impedir a entrada de um médico que supostamente seria o designado para realizar o aborto, além de hostilizá-lo. As imagens mostram o grupo apontando para o médico do lado de fora do edifício e gritando “assassino, assassino”. Também houve gritos contra a Rede Globo, dizendo “Globo lixo”.

Em um segundo momento, o grupo arma uma confusão na entrada, tentando invadir o hospital.

Em sua página de Instragram, a Comunidade Porta Fidei descreve sua missão: “defender a verdade, guardar a fé, para a salvação das almas e o bem da Santa Igreja”.

A menina de 10 anos teve seu aborto autorizado pela Justiça na sexta-feira (14). Ela foi vítima de estupros por parte do tio durante quatro anos, e acabou ficando grávida dele recentemente. Contudo, o hospital HUCAM de Vitória (ES) se negou a realizar o procedimento neste domingo (16), razão pela qual a Secretaria de Saúde do Espírito Santo montou uma operação para levá-la a outro estado, acompanhada de uma assistente social e um parente.

A missão tentou manter o local em sigilo, mas a bolsonarista Sara Winter e outros grupos ligados à ministra Damares Alves (Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) descobriram a informação e a divulgaram nas redes sociais, inclusive revelando o nome da menor.

Avatar de Victor Farinelli

Victor Farinelli

Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR