Fórumcast #19
06 de junho de 2007, 18h09

Fazendeiro acusado de mandante no assassinato de irmã Dorothy é condenado a pena máxima

O fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, foi condenado a 30 anos de prisão sob acusação de ser o mandante do assassinato da missionária norte-americana Dorothy Stang, em 2005. A pena será cumprida em regime fechado. Se recorrer, terá de aguardar o novo julgamento detido.

O fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, foi condenado a 30 anos de prisão sob acusação de ser o mandante do assassinato da missionária norte-americana Dorothy Stang, em 2005. A pena será cumprida em regime fechado. Se recorrer, terá de aguardar o novo julgamento detido.

O fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, foi condenado a 30 anos de prisão sob acusação de ser o mandante do assassinato da missionária norte-americana Dorothy Stang, em 2005. A pena será cumprida em regime fechado. Se recorrer, terá de aguardar o novo julgamento detido.

A pena máxima foi pedida pelo Ministério Público e aceita pelo Tribunal do Júri do Pará. Como a pena excede 20 anos, Bida tem direito a novo julgamento. A sentença foi proferida depois de dois dias de julgamento.

Dorothy foi morta em 12 de fevereiro de 2005, no município de Anapu, no Pará, com três tiros, em um assentamento de reforma agrária. Ativista ligada a luta pela terra, participava de um movimento que reivindicava reforma agrária na região.

Veja também:  MP investiga Ricardo Salles por enriquecimento ilícito de R$ 7,4 milhões em cinco anos

A tese da defesa era de que o fazendeiro de 36 anos não teria motivos para mandar matar a missionária. A fazenda de Bida era um dos lotes que os sem-terra reivindicavam que fossem incluídos no Programa de Desenvolvimento Sustentável Esperança, para reforma agrária.

Interrogado pelo promotor Edson Cardoso, admitiu ter tomado conhecimento do assassinato ao ver a arma do pistoleiro Rayfran das Neves Sales, o Fogoió. Em depoimentos anteriores, ele havia negado o encontro com o pistoleiro, bem como com o funcionário acusado de intermediário na contratação. Ele admitiu ainda ter abrigado e auxiliado na fuga de Fogoió.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum